conecte-se conosco


CRISE DO CORONA

Falta de insumos e de profissionais são hoje os maiores problemas do Paraná no enfrentamento à pandemia

Publicados

em

Foto: Reprodução/Internet

Atualmente, são dois os principais problemas que o Paraná enfrenta em meio à pandemia do coronavírus. Segundo anunciou ontem o governador Ratinho Junior e o secretário estadual de Saúde, Beto Preto, os hospitais paranaenses já sofrem com a falta de insumos (sedativo para intubação) e a falta de intensivistas (que é o profissional especializado para trabalhar em UTIs). Essas duas questões, inclusive, foram as principais justificativas para que o governo estadual decretasse ‘quarentena mais restritiva’ em sete regionais de saúde a partir de hoje.

Segundo Ratinho Junior, no último final de semana houve até um hospital particular de Curitiba, cujo nome não foi revelado, que chegou a ficar no último sábado sem sedativos para os mais de 20 pacientes com Covid internados em UTI. A solução do Estado,e ntão, foi emprestar 50 ampoulas de um medicamento e mais 100 de um outro, para que o estabelecimento de saúde pudesse manter os pacientes intubados, explicou Beto Preto.

“Esse é um problema que não é só do Brasil, no mundo está acontecendo isso. É uma situação gravíssima. Aquilo que era o problema respirador até 40, 60 dias atrás, passou a ser o medicamento para relaxar o paciente, para ser intubado”, disse ontem Ratinho Junior.

“Nossos estoques vão mais uns dias, mas aguardamos uma tomada de posição do Ministério da Saúde para que possamos regularizar nossos estoques”, complementou o secretário de Saúde, revelando ainda que o consumo de medicamentos sedativos, como Propofol, Midazolam e Fentanil cresceu cerca de 500% em relação à média histórica, uma vez que os pacientes que são intubados precisam ficar sedados. “Então é uma situação grave, grave”.

‘Não adianta abrir mais leitos se não há profissionais’

Leia Também:  Suspeito é preso com 30 comprimidos de Ecstasy em Jaguariaíva

O outro problema que o estado e o Brasil como um todo encaram é a falta de intensivistas. Nos últimos tempos, o Paraná investiu fortemente na abertura de leitos UTI e enfermaria para poder dar conta da demanda de pacientes contaminados pelo novo coronavírus. Acontece, contudo, que a capacidade de ampliação do atendimento está chegando no limite, e esse limite se dá nem tanto pela falta de capacidade de abertura de novos leitos, mas sim pela dificuldade em se conseguir mais profissionais para atender a população.

“Mesmo que a gente abra mais leitos de UTIs, você tem dificuldade de ter mais profissionais. Então nós precisamos fazer com que essa curva perca sua velocidade para que toda essa estrutura que nós já temos possa suportar esses atendimentos, já que nós temos, inclusive, escassez de mão de obra”, declarou Ratinho Junior.

“Nós estamos chegando no limite. Os profissionais que atuam em unidade de terapia intensiva estão acostumados a trabalhar na tênue linha entre a vida e a morte. Nós temos casos que vão par UTI que precisam da mão do intensivista. Existem outras especialidades que ajudam também, mas os especialistas são os intensivistas, e esses intensivistas também é finito, não existe à disposição no mercado”, emendou Beto Preto.

Leia Também:  Justiça nega pedido de volta às aulas nas escolas particulares do Paraná

 

Via: Banda B.

COMENTE ABAIXO:

Campos Gerais

Entrevista de secretário da Saúde sobre novas medidas da Covid-19 é referente a Arapoti

Publicados

em

Foto: Ilustrativa - Reprodução/Internet

Reportagem da Folha Extra pede desculpas pelo equívoco onde vinculou o município de Jaguariaíva a entrevista do secretário Márcio Martins de Carvalho

 

A reportagem da Folha Extra vem por meio deste esclarecer um equívoco em uma matéria publicada em nosso portal nesta segunda-feira (23) intitulada “Jaguariaíva reforça medidas de combate a Covid-19 após crescimento de novos casos”, onde, na verdade, trata-se de medidas aplicadas ao município de Arapoti.

Em entrevista concedida a Rádio Cidade FM na manhã do último sábado (21), Márcio Martins de Carvalho, secretário de Saúde de Arapoti, falou sobre as novas ações de enfrentamento a Covid-19 no município, e não relativas a Jaguariaíva conforme fora informado.

Entre as novas medidas anunciadas, está à proibição de reuniões com mais de dez pessoas, independente do local ou se em festas, encontros ou churrascos. O secretário aproveitou a oportunidade para pedir apoio a população para que realize denúncias caso estas situações sejam constatadas. As informações podem ser repassadas através dos números (43) 99164-4431 ou diretamente a Polícia Militar através do 190. A identidade dos denunciantes será preservada.

O secretário também explicou que a concentração de mais de dez pessoas em um mesmo estabelecimento segue permitida em igrejas, bares e restaurantes desde que cumpridas as medidas de prevenção e distanciamento social de ao menos 2 metros entre as mesas.

Durante a entrevista, Márcio ainda fez um alerta de que a população e comerciantes tem relaxado em relação às medidas de prevenção a doença. Pouco depois, uma ouvinte entrou em contato com a rádio e, ao vivo, fez uma denúncia sobre um caminhão de som que circulava pela cidade com aproximadamente 15 pessoas. A denúncia foi repassada a equipe da Vigilância Sanitária que tomou as medidas cabíveis ao caso.

Leia Também:  Justiça nega pedido de volta às aulas nas escolas particulares do Paraná

Carvalho ainda reforçou a importância de que as pessoas utilizem álcool gel e máscaras, além de ressaltar o quanto o distanciamento social contribui para reduzir o número de casos. Ele também frisou que o aumento do número de casos pode levar a prefeitura a aderir medidas mais drásticas, como um novo fechamento do comércio e por isso se faz tão importante a colaboração de todos.

Em contato com a reportagem da Folha, Rosana Lopes, da Assessoria de Comunicação da Prefeitura de Jaguariaíva, informou que os dados não são referentes ao município que, por hora, não anunciou nenhuma mudança nos protocolos de prevenção a Covid-19 no município.

A favor da transmissão da notícia verdadeira e imparcial, a reportagem da Folha Extra pede desculpas aos leitores e demais envolvidos pelo equívoco.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA

Aviso importante: A reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo (textos, imagens, infográficos, arquivos em flash, etc) do portal não é permitida e, caso se configure, poderá ser objeto de denúncia tanto nos mecanismos de busca quanto na esfera judicial. Se você possui um blog ou site e deseja estabelecer uma parceria para reproduzir nosso conteúdo, entre em contato por e-mail. Copyright © 2020