conecte-se conosco

unopar

Norte Pioneiro

Em descrédito, Amunorpi perde mais cinco municípios neste ano

Publicados

em

Após a operação “Cheque em Branco” que atingiu a Amunorpi (Associação dos Municípios do Norte Pioneiro) em cheio no ano de 2015, através da qual foram apontados desvios de mais de R$ 1,8 milhão, a instituição tem entrado em declínio com reuniões escassas e até a saída de muitos prefeitos da região.

Apenas neste ano, cinco municípios decidiram deixar a Amunorpi são eles: Wenceslau Braz, Cambará, Quatiguá, Guapirama e Abatiá, este último se associou à Amunop (Associação dos Municípios do Norte do Paraná), enquanto os demais permanecem sem filiação, contudo, existe a possibilidade de também migrarem para a Amunop, composta pelos municípios de Assaí, Bandeirantes, Congonhinhas, Cornélio Procópio, Itambaracá, Leópolis, Nova América da Colina, Nova Fátima, Nova Santa Bárbara, Rancho Alegre, Santa Amélia, Santa Cecília do Pavão, Santa Mariana, Santo Antônio do Paraíso, São Jerônimo da Serra, São Sebastião da Amoreira, Sapopema, Sertaneja e Uraí.

No começo da década de 90 do século passado, o então chefe do executivo de Arapoti, Homar Negrão (PL) e seu colega, Ademar Ferreira de Barros (PFL), de Jaguariaíva, decidiram passar para a AMCG (Associação dos Municípios dos Campos Gerais), alegando, na oportunidade, que a região polarizada por Ponta Grossa, pelo potencial econômico, ajudaria o crescimento dos dois municípios. Em 2011, Amadeu Bicudo (PT), então prefeito de Curiúva, também migrou para a AMCG.

Leia Também:  Em fuga da polícia, ladrões capotam Hilux roubada em Tomazina

Mais recentemente, em dezembro do ano passado, São José da Boa Vista também deixou de fazer parte da associação. Atualmente, dos 28 municípios que compunham a Amunorpi, restaram apenas 18.

As razões de saída são inúmeras, entre elas, a falta de expressividade política da associação, a falta de pagamento das mensalidades, que gerou uma dívida significativa para alguns municípios, além da imagem que a associação adquiriu após os escândalos de 2015, mesmo com as últimas gestões estarem empenhadas em trabalhos para tentar recuperar as contas e a credibilidade da instituição.

Sérgio Kronéis (PSDB), prefeito de São José da Boa Vista, falou com a reportagem da Folha Extra sobre seu desligamento da Amunorpi. “Depois de todos os escândalos de 2015, a associação ficou sem organização para manter os prefeitos, mas vejo a necessidade de sentarmos para discutir o verdadeiro papel da instituição e, principalmente, como a situação da Amunorpi junto ao Ministério Público. Os dois últimos presidentes tem feito um grande trabalho a frente da associação, contudo, os erros das gestões passadas precisam ser punidos para não continuarem desmoralizando o grupo”, explica o prefeito.

Leia Também:  Policiais entregam alimentos a assistências sociais das cidades da 2ª Companhia da PM

Kronéis não descartou voltar a se filiar na instituição.

 

A presidência

O atual presidente, Joás Michetti (PDT), atribuiu a evasão de prefeitos da Amunorpi à dois fatores principais, o protesto pela impunidade de antigos gestores que estiveram envolvidos no esquema investigado pela operação Cheque em Branco e também a incompatibilidade de ideias políticas dentro do grupo.  “Os prefeitos querem que as pendências da associação com a Justiça sejam resolvidas, isso é fato, pois enquanto, o processo não resulta na condenação, o nome da instituição fica manchado, mas infelizmente esses processos são lentos”, afirma.

O presidente marcou uma reunião extraordinária para o próximo dia 9, onde devem ser discutidos assuntos como a diminuição de prefeituras, a instalação da faculdade de Medicina nos municípios de Santo Antônio da Platina ou Jacarezinho; a duplicação das rodovias de Jaguariaíva até Jacarezinho, além de uma possível extensão do Hospital do Câncer em uma UPA recentemente construída em Santo Antônio.

Para finalizar, Joás ressaltou a importância da união dos prefeitos como associação para efetivar requisições como as citadas acima. “A Amunorpi tem força e estamos em constante discussão sobre as demandas regionais com o governador eleito Ratinho Jr.”, concluiu.

COMENTE ABAIXO:

Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

Cidades

Wenceslau Braz estaciona e não registra casos de Coronavírus em dois dias

Último boletim com confirmação positiva foi na terça-feira (19)

Publicados

em

Não houve alteração no quadro de registros da Covid-19 em Wenceslau Braz da última terça-feira (19) até hoje. A informação é do departamento de saúde do Município.

A cidade que tem confirmado até o momento oito casos de coronavírus, vê nos últimos dois dias seu quadro estacionado. Das oito confirmações, sete pessoas estão em isolamento domiciliar e outra já está recuperada.

O último boletim é alivio para o município que segundo as informações, segue com cerca de 200 pessoas em processo de monitoramento, das quais tiveram contato com os pacientes que positivaram para a doença.

Veículos percorreram toda a cidade. Máscaras também foram distribuídas. Foto: Divulgação

Nesta quinta-feira (21) as equipes da vigilância municipal e sanitária, além da polícia militar e corpo de bombeiros realizaram uma ação preventiva pelas ruas da cidade com caminhão de som e viaturas policiais. A ação, de acordo com a equipe, é orientar a população a permanecer em casa e, caso necessário, utilizar máscaras sem exceção.

REGISTRO DA CIDADE

Em apenas dois dias a situação em Wenceslau Braz com relação ao novo coronavírus mudou completamente de cenário. Se há alguns dias a cidade não havia registrado nenhum caso confirmado da doença, o município tem agora a marca de oito casos positivos da para a COVID-19, encabeçando a lista da 19ª Regional de Saúde de Jacarezinho.

Leia Também:  Alerta Geada para a cafeicultura está em operação no Paraná

Diante da nova realidade, a gestão municipal anunciou que deve adotar novas medidas para enfrentamento a COVID-19 no município, dentre as quais o reforço no quadro efetivo de agentes da vigilância sanitária para promover maior fiscalização em vias públicas, comércios e, inclusive, bloqueios nos trevos de acesso à cidade, ainda sem previsão.

Outra medida que deverá entrar em vigor já no fim de semana é o toque de recolher, que segundo as autoridades municipais, deverá ser no horário das 21h as 06h da manhã.

Além desta medida, a prefeitura está em busca de apoio do Exército para promover um controle mais rígido no fluxo de pessoas no município. Com isso, a gestão já estaria em contato com a Defesa Militar de Ponta Grossa para solicitar apoio nas ações que devem ser realizadas na cidade. Apesar disso, ainda não há previsão de quando o contingente deva chegar.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA

Aviso importante: A reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo (textos, imagens, infográficos, arquivos em flash, etc) do portal não é permitida e, caso se configure, poderá ser objeto de denúncia tanto nos mecanismos de busca quanto na esfera judicial. Se você possui um blog ou site e deseja estabelecer uma parceria para reproduzir nosso conteúdo, entre em contato por e-mail. Copyright © 2020