conecte-se conosco

unopar

Norte Pioneiro

Programa beneficia 289 famílias de 11 municípios do Norte Pioneiro

Publicados

em

O Programa Família Paranaense – Renda Agricultor Familiar beneficiou 289 famílias de agricultores de 11 municípios ligados à regional do Instituto Emater de Santo Antônio da Platina. O investimento em iniciativas para agregar renda aos beneficiados foi de cerca de R$ 850 mil. Criado em 2015 com coordenação da Secretaria Estadual da Justiça, Família e Trabalho (Sejuf) e desenvolvido em parceria com a Secretaria Estadual de Agricultura e Abastecimento (Seab), o programa transfere um valor financeiro fixo as famílias da área rural que estão em situação de vulnerabilidade social.

Em parceria com o CRAS dos municípios que selecionam os beneficiários do programa, os extensionistas do Instituto Emater acompanham essas famílias e orientam sobre a aplicação dos recursos em melhorias do saneamento básico e em atividades produtivas para geração de renda e segurança alimentar, o valor repassado a cada família é de até R$ 3 mil.

Fruticultura – No município de Wenceslau Braz, onde já foram beneficiadas 34 famílias pelo Programa Família Paranaense, o casal de produtores, Sebastião Lepping e Gevalda Regina Correa, implantou um pomar de 400 plantas de maracujá. “Hoje o dinheiro da produção do maracujá melhorou a qualidade de vida da família”, assinala Sebastião, ressaltando que o programa deu oportunidade para que seu filho de 19 anos, Leonardo Lepping, permanecesse no sítio trabalhando com a família.

Leia Também:  Figueira, Salto do Itararé e Guapirama: as piores no ranking da transparência pública da Amunorpi

Com os recursos da venda do maracujá a família pretende dobrar a produção na próxima safra. O projeto conta com acompanhamento do extensionista local do Emater Felipe Youssef Abboud.

Olericultura – Em Jundiaí do Sul, município que já beneficiou 63 famílias pelo programa, o casal Antônio e Elcione, após participarem de uma reunião sobre agricultura orgânica, decidiram investir em uma estufa para produção de tomates. Com orientação técnica do Emater pelo extensionista Pedro de Oliveira Gomes e muita dedicação do casal, a produção de tomate foi muito boa, atingindo nove quilos por planta. “Nós nunca tínhamos trabalhado com produção de tomate, hoje com a renda da primeira estufa queremos investir em mais duas estufas e aumentar a produção” ressalta a agricultora. Os tomates produzidos foram vendidos em feiras, comércio local e na própria comunidade.

No município de Curiúva, o produtor Hamilton dos Santos e sua esposa Lurdes Izabel, tradicionais cafeicultores do município, também decidiram investir no plantio de tomates no manejo orgânico com apoio técnico do extensionista do Emater, Heros Mainardes para elaboração do projeto produtivo do Programa Família Paranaense.

Leia Também:  Ladrão escala parede e furta equipamentos da igreja matriz de Joaquim Távora

O produtor plantou 500 pés de tomate, e está começando a colheita dos primeiros frutos. “Este projeto é uma oportunidade para o aumento da nossa renda, além de minha esposa não precisar mais trabalhar na cidade”, relata com satisfação. Sobre a expectativa do casal, Hamilton assinala que ele e sua esposa querem construir mais uma estufa para plantio de tomate no manejo orgânico. A propriedade está em conversão para o sistema orgânico, em breve a área terá o certificado de produção orgânica com apoio do Programa Paraná Mais Orgânico em parceria com a UEPG.

Justiça Social – O Programa Família Paranaense – Renda Agricultor Familiar, vem beneficiando milhares de famílias de agricultores no Estado através dos recursos financeiro repassados a elas vinculado a um bom projeto de inclusão produtiva e geração de renda. Essa política pública tem como base a inclusão social e combate à pobreza, onde na região de Santo Antônio da Platina mais de 20% dos agricultores tem renda inferior a dois salários mínimos por família.

A estimativa do Programa é investir R$ 16 milhões e atender 5,6 mil famílias até final de 2019 em todo Paraná.

COMENTE ABAIXO:

Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

Cidades

Tomazina, Pinhalão, Japira e Jaboti criam associação de produtores de morango e buscam selo especial de qualidade

Publicados

em

Na propriedade de Marcelo Siqueira as 15 mil plantas são suspensas para evitar o contato com o solo - Foto Divulgação

O objetivo é que eles possam se organizar para ganhar competitividade no mercado e buscar o registro de Indicação Geográfica junto ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI)

Um grupo de 12 produtores de morango do norte pioneiro do Paraná constituiu, na última quinta-feira (28), a Associação Norte Velho dos Produtores Rurais de Jaboti, Japira, Pinhalão e Tomazina. O objetivo é que eles possam se organizar para ganhar competitividade no mercado e buscar o registro de Indicação Geográfica junto ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI).

O produtor de Jaboti, Marcelo Augusto da Mata Siqueira, foi eleito o presidente da nova associação. Ele trabalha com morangos há 17 anos. Hoje, possui uma produção de 15 mil plantas suspensas, todas semi-hidropônicas, para evitar doenças de solo. Para ele, a constituição da associação é muito importante e necessária na região, que concentra o cultivo da fruta em mais de 140 hectares.

“Hoje, dependemos muito dos atravessadores. Enquanto o mercado vende a caixa por R$ 25, em média, a gente comercializa a R$ 5, na roça”, justifica. Além de ganhar competitividade no preço de venda, Siqueira acrescenta que a união dos produtores vai beneficiá-los, também, na hora de conseguir boas condições de pagamento na aquisição dos insumos e mudas.

Leia Também:  Tomazina, Pinhalão, Japira e Jaboti criam associação de produtores de morango e buscam selo especial de qualidade

A associação é necessária, ainda, para que os produtores da região consigam fazer o pedido de registro de Indicação Geográfica junto ao INPI. “A IG será uma baita conquista pra gente. Nosso cinturão é muito forte na produção de morango, tanto em qualidade como em quantidade, mas os produtores são prejudicados na venda”, afirma. Caso o grupo conquiste o registro, Siqueira diz que a região terá produtos ainda melhores e com mais valor agregado.

A Indicação Geográfica é um bem coletivo conferido a produtos ou serviços que são característicos do seu local de origem, o que lhes atribui reputação, valor intrínseco e identidade própria, além de os distinguir em relação aos similares disponíveis no mercado por sua qualidade, especialidade e tipicidade.

A região do norte velho é considerada a maior produtora de morango em todo o estado, segundo a Emater. O trabalho será focado na conquista da IG por Indicação de Procedência (IP), relacionada à reputação e tradição dos fruticultores.

O consultor do Sebrae/PR, Odemir Capello, afirma que a proposta de IG integra um conjunto de ações realizadas pela governança do Comitê Territorial do Norte Pioneiro do Paraná para tornar a região uma referência na produção de alimentos diferenciados e fazer com que isso gere desenvolvimento para todo o território.

Leia Também:  Acisc quer extensão da duplicação da PR-092 em Siqueira Campos

“O morango será o terceiro na busca pelo registro, depois do café e da goiaba”, aponta. Segundo o consultor, a constituição da associação cria capital social e fortalece o segmento.

Capello explica que a conquista da IG trará notoriedade para o cultivo de morangos da região, que concentra aproximadamente 500 produtores. “O objetivo é que o trabalho associativo beneficie os fruticultores e organize a produção para que ela possa chegar a novos mercados”, informa.

O consultor lembra que o trabalho, que vem sendo realizado há cerca de um ano, conta com o apoio da Emater; prefeituras municipais de Jaboti, Japira, Pinhalão e Tomazina; Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar); Ministério da Agricultura; e Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar).

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA

Aviso importante: A reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo (textos, imagens, infográficos, arquivos em flash, etc) do portal não é permitida e, caso se configure, poderá ser objeto de denúncia tanto nos mecanismos de busca quanto na esfera judicial. Se você possui um blog ou site e deseja estabelecer uma parceria para reproduzir nosso conteúdo, entre em contato por e-mail. Copyright © 2020