conecte-se conosco

unopar

Cidades

Retorno para o interior deve triplicar movimento nas estradas

Publicados

em



(Foto: Reprodução)

O retorno do feriadão deixa as estradas do Paraná bastante movimentadas nesta manhã de quarta-feira de Cinzas, 6. Segundo as informações da Ecovia, concessionária que administra o trecho da BR-277 que liga Curitiba ao litoral do Estado, por volta das 7h30 o movimento já estava três vezes acima do normal na subida para Curitiba, mas sem nenhum ponto de lentidão na BR-277. São cerca de 1.500 carros por hora passando na praça de pedágio de São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba. Na BR-376, que liga Curitiba as praias de Santa Catarina o movimento também é intenso.

As rodovias que ligam a capital ao interior também terão o movimento triplicado durante o dia. Segundo as informações da CCR Rodonorte, concessionária que administra o trecho entre Curitiba e Jaguariaíva, são esperados o tráfego de 35 mil carros apenas nesta quarta, um movimento 60% maior ao registrado em dias normais.

Os horários de maior movimento devem ser entre as 8 e 11 horas da manhã e entre as 17 e 20 horas.

Leia Também:  Prefeitos da região recebem notificação do TCE para identificação de funcionários que fraudaram o auxílio emergencial
COMENTE ABAIXO:

Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

Cidades

156 servidores de Wenceslau Braz, Siqueira Campos e Ibaiti receberam o auxílio emergencial ilegalmente

Publicados

em

Montante em dinheiro ultrapassa os 100 mil reais recebidos de forma ilegal e que terão que ser devolvidos

Em trabalho conjunto encerrado na última quarta-feira (27), o Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR) e a Controladoria-Geral da União (CGU) identificaram, por meio do cruzamento de dados, que 10.648 servidores, de 388 prefeituras do Paraná, podem ter recebido o auxílio emergencial do governo federal, num montante de R$ 7,3 milhões.

A Folha Extra teve acesso a listagem oficial com os nomes dos servidores que fizeram ilegalmente o saque dos R$ 600,00 e R$ 1.200,00, que de acordo com a lei normativa do auxílio emergencial, não se enquadravam no perfil de público por se tratar de servidores de autarquia pública, com remuneração mensal garantida por contrato de trabalho, mesmo que sem registro. Acesse aqui e veja as únicas cidades da região que não tiveram nomes de servidores envolvidos.

Em Wenceslau Braz, 49 pessoas consideradas integrantes do funcionalismo público tiveram seus nomes envolvidos na listagem do TCE. O valor sacado ilegalmente somam R$ 32.400,00 que de acordo com a CGU, terão que ser devolvidos aos cofres públicos sob pena ação criminal por fraude e estelionato.

Leia Também:  Jacarezinho tem 19 casos confirmados e 10 recuperados

Já em Siqueira Campos 35 nomes foram identificados no cruzamento de informações. Ao todo foram 24.600 reais sacados de forma ilegal. Em Ibaiti 72 ocupantes de cargo público se utilizaram de forma ilegal do auxílio e também sob pena de ação criminal, terão que devolver o total sacado de R$ 49.800,00.

“Estamos trabalhando para inibir a realização de novos pagamentos indevidos, estimular a devolução dos valores já recebidos pelos servidores e colaborar com a identificação de possíveis fraudes, por meio da utilização não autorizada de CPFs de servidores por outras pessoas”, afirma o coordenador-geral de Fiscalização do TCE-PR, Rafael Ayres.

O levantamento concluiu que os mais de 10 mil identificados como recebedores do auxílio federal trabalham em 388 das 399 prefeituras do Paraná. Só não foi identificada a irregularidade em 11 municípios. O valor total recebido por esse grupo é de R$ 7.319.400,00. O Decreto nº 10.316/20, que instituiu o benefício para desempregados, trabalhadores informais, microempreendedores e autônomos, veda expressamente o pagamento das três parcelas de R$ 600,00 a ocupantes de cargos e servidores públicos, efetivos ou comissionados.

Leia Também:  Prefeito de Tomazina confirma o primeiro caso de coronavírus no município

Em comunicado enviado aos prefeitos, o TCE-PR lembra que os agentes públicos que omitiram essa informação para receber indevidamente o benefício cometeram os crimes de estelionato e falsidade ideológica, já que ao fazer o cadastro, o interessado tinha que declarar que não possuía vínculo de trabalho com órgão público. O Tribunal também alerta que cada município deve analisar as possíveis infrações disciplinares cometidas por seus servidores neste caso.

Para contribuir com o ressarcimento ao cofre federal, o TCE-PR indica no comunicado aos prefeitos o canal eletrônico criado pelo Ministério da Cidadania para a devolução de valores recebidos indevidamente.

Em âmbito nacional, a CGU está apurando casos de recebimento indevido do auxílio emergencial, que beneficiou 54 milhões de brasileiros, com custo de R$ 152,6 bilhões até agora. Denúncias sobre o uso indevido do programa podem ser feitos à Ouvidoria da CGU. No sistema de consulta do auxílio emergencial o cidadão pode verificar se o seu CPF foi utilizado indevidamente para o recebimento do benefício.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA

Aviso importante: A reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo (textos, imagens, infográficos, arquivos em flash, etc) do portal não é permitida e, caso se configure, poderá ser objeto de denúncia tanto nos mecanismos de busca quanto na esfera judicial. Se você possui um blog ou site e deseja estabelecer uma parceria para reproduzir nosso conteúdo, entre em contato por e-mail. Copyright © 2020