conecte-se conosco

unopar

Especiais

Nasce uma nova opção na política paranaense

Publicados

em

Após 40 anos à frente do Positivo, um dos principais grupos educacionais, industriais gráficos e de informática do país, o Professor Oriovisto Guimarães é pré-candidato ao Senado nas eleições desse ano

O Brasil atravessa um momento de desilusão no cenário político, efeito colateral da Operação Lava Jato, que revelou o maior esquema de corrupção no setor público brasileiro. Em contraponto a este quadro, o Professor Oriovisto desponta como o nome para a mudança no quadro político paranaense.

Aos 72 anos e com muito ânimo para trabalhar, Oriovisto coloca a sua experiência profissional e empresarial à disposição da sociedade para construção de um novo país. Entre as mudanças emergenciais necessárias, o professor defende as reformas política, tributária, previdenciária e jurídica.

Nascido em Batatais- SP, morou no interior do Paraná nas cidades de Bela Vista do Paraíso, Mandaguari e Apucarana. É filho de família de poucos recursos, viveu em casa simples e cresceu entre livros e discussões políticas. Mas sua alma inquieta e sua veia empreendedora queriam mais.

Aos 17 anos, mudou-se para Curitiba. Morou na pensão da dona Martha, na Praça Santos Andrade, e deu aula particular de matemática para ganhar a vida. Passou nos vestibulares de Engenharia e Ciências Econômicas, mas formou-se apenas em Economia, na Universidade Federal do Paraná.

Foi professor em cursinho pré-vestibular e, com amigos, fundou o Curso Positivo em Curitiba. Depois vieram as escolas de ensino médio, ensino fundamental e a Universidade Positivo, da qual foi fundador e reitor durante dez anos. É membro titular da Academia Paranaense de Letras. Participou também da criação da Positivo Informática, que se transformou na maior fabricante brasileira de computadores. Deixou a presidência do grupo com cerca de dez mil funcionários e mais de um milhão de alunos que utilizam o método de ensino do Positivo ao redor do Brasil e no exterior.

Como empresário e empreendedor, sempre acompanhou a política, lutou contra o regime militar em 1968, conhece a história do Brasil e suas mazelas econômicas. Professor Oriovisto atendeu nossa reportagem para uma conversa franca sobre sua pré-candidatura ao Senado.

 

Professor Oriovisto, o que o motivou a entrar na política?

O.G: Quero retribuir ao país tudo o que ele me deu e fazer com que o governo funcione melhor e os brasileiros sintam orgulho do Brasil. Não preciso mais trabalhar por dinheiro e entro na vida política para promover mudanças, sem atender aos interesses de grupos. A reforma da previdência, por exemplo, é uma necessidade emergencial. O déficit no ano passado foi de 270 bilhões de reais. É uma receita que não funciona, que concede privilégios enormes a algumas pessoas e uma aposentadoria ridícula à maioria do povo brasileiro.

Vou lutar também por uma reforma política, para acabar com o foro privilegiado e com os excessos que existem no Senado, como benefícios especiais, auxílio moradia e aposentadorias especiais.

No combate à corrupção, a reforma no judiciário é importantíssima. É preciso mudar as leis para que o condenado seja preso na primeira ou segunda instância e não leve dez, 20, 30 anos, sempre com a possibilidade de mais um recurso.

Leia Também:  TVs e jornais lideram índice de confiança em informações sobre coronavírus, diz Datafolha

Para estar no Senado tem que ser honesto e entender de Brasil e eu posso dizer que entendo. Além de minha experiência empresarial, estudo economia, filosofia, sociologia e história do Brasil há muitos anos. Coloco o meu nome para aqueles que não querem reeleger um político pela décima vez. O Brasil tem um encontro marcado com a verdade nas próximas eleições. É um momento em que se pode optar pela moralização da política. Vamos eleger 513 deputados e 54 senadores e se o povo quiser, não precisa reeleger nenhum.

 

Ideologicamente, quem é o Oriovisto Guimarães? É de direita, de esquerda ou de Centro?

O.G: Esta questão de ideologia está superada. Acredito que as pessoas que fazem o divórcio com a lógica e se apaixonam pela ideologia perdem a capacidade de raciocinar, vão para um radicalismo estúpido. Fui um jovem de 18 anos que era de esquerda. Quando tive que trazer a comida para a mesa e fazer a revolução na minha casa, sustentar os meus filhos, comecei a ver que a coisa não é bem assim.

Por outro lado, quando você olha para o mundo hoje, o que está claro é que em todos os países a economia é de mercado. Se a economia é de mercado, a nação e o governo não são de mercado. O governo existe para fazer justiça, segurança, para ajudar os mais necessitados, sobretudo as crianças.

Leia Também:  Máscaras de tecido inapropriado podem causar tontura e dor de cabeça

 

De que forma a sua experiência empresarial poderá contribuir para a sua atuação política?

O.G: Creio que há muito do setor privado que pode e deve ser utilizado pelo governo, por exemplo a produtividade, que é a capacidade de fazer mais com menos dinheiro. Imagine que o país fosse um condomínio com 200 apartamentos, onde todos os condôminos pagassem uma taxa de 200 duzentos reais por mês. Seriam arrecadados 40 mil reais para custear a manutenção do prédio, como pagamento da energia elétrica, as zeladoras, a segurança e outros.

Agora, imagine duas hipóteses: o síndico começaria a roubar o dinheiro. Roubo é ilegal, ele poderia ser preso. Mas vamos dizer que o síndico não roubasse, não fizesse nada de ilegal, mas que ele começasse a contratar muitos funcionários. Apesar de a necessidade ser de apenas dois, ele contratasse dez, entre eles os parentes e conhecidos. O que aconteceria? Todo o dinheiro arrecadado seria gasto com apadrinhados e benefícios especiais. Não haveria caixa para pagar a conta da energia dos elevadores, que ficariam sem manutenção e estragariam, nem para as zeladoras e as demais despesas.

O que os moradores teriam que fazer? Trocariam o síndico por outro que não tivesse esta prática administrativa, que não é ilegal, mas que causa tanto mal como o roubo de dinheiro, ou se mudariam, venderiam os apartamentos a preço de banana para viver em outro prédio, com um bom síndico.

A má administração acaba com o condomínio e com o país. O Brasil é um condomínio, cada brasileiro paga uma taxa mensal. Todos nós entregamos ao governo 35% dos nossos rendimentos.

Contribuímos, direta ou indiretamente, com o governo que administra mal, emprega muita gente, concede muitos benefícios e privilégios e isso não é ilegal, ninguém vai preso.

A minha experiência da iniciativa privada é no sentido de que o dinheiro arrecadado com os impostos seja bem aplicado, porque há recursos suficientes para fazermos um Brasil maravilhoso, com saúde, educação e segurança de qualidade, mas é preciso administrar bem.

Quero representar bem o Paraná e ajudar o Brasil a ser um país melhor para todos nós, com honestidade, competência e muito trabalho.

COMENTE ABAIXO:

Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

Especiais

Fake News do “Não Autorizo” do Facebook reaparece na rede social

Publicados

em

(Foto: Reprodução/Facebook)

Um fake news que surgiu em 2012, reapareceu em 2016 e outros anos, voltou com força no fim do mês maio no Facebook. O boato que já enganou no passado muita gente tem sido espalhado pelos feeds de notícias, alcançando um grande número de pessoas.

A mensagem que surgiu desta vez é essa:

“NÃO AUTORIZO
LEMBRE-SE, AMANHÃ COMEÇA A NOVA REGRA DO FACEBOOK QUE PERMITE USAR SUAS FOTOS!!!!!!!LEMBRE-SE QUE O PRAZO É HOJE!!!!! PODE SER USADO EM JULGAMENTOS CONTRA VOCE. TUDO QUE VC PUBLICOU PODE SER PUBLICADO A PARTIR DE HOJE,E ATÉ MSGS REMOVIDAS.NÃO CUSTA NADA ALÉM DE UM SIMPLES COPIAR/COLAR, MELHOR TER CERTEZA DO QUE SER VIOLADO. NÃO DOU PERMISSÃO PARA O FACEBOOK NEM A NENHUMA ORGANIZAÇÃO ASSOCIADA AO FACEBOOK PARA USAR MINHAS IMAGENS, INFORMAÇÕES, MENSAGENS REMOVIDAS, ARQUIVOS , ETC. NÃO QUERO QUE USEM MEU FACEBOOK!!!!!
DE UM OK NA MENSAGEM SE VC LEU.”

Esse boato tem feito muita gente acreditar e divulgar. Porém, nos próprios termos de uso do Facebook já sugerem que você tem as suas informações protegidas de uso por parte da rede social. O único responsável por filtrar quem verá o que você posta é você, através do controle de privacidade e aplicativos. Ali você pode escolher quem pode visualizar o que você posta. De restante, todas as outras informações do boato não fazem sentido algum, não há nova regra de uso de suas fotos no Facebook.

Leia Também:  Folha Extra entrevista o presidente da OAB, Paulo Madeira

Lembre-se de usar o Facebook com responsabilidade, pois se você publica algo em modo público, qualquer pessoa pode ver. Se você utilizar a rede social para praticar crimes contra a honra, como calúnia, difamação ou injúria, previstos nos artigos 138, 139 e 140 do Código Penal, e a pessoa exposta se sentir lesada por isso e quiser representar contra você, com certeza irá responder pelos crimes praticados.

Nota do Facebook:

“A segurança e privacidade das pessoas são as nossas maiores responsabilidades e estão no centro de tudo que fazemos no Facebook. Temos políticas de dados e privacidade claras que dizem que tudo o que uma pessoa publica no Facebook é de propriedade dela e só ela é quem pode determinar os níveis de privacidade de suas publicações e informações na plataforma.”

Fonte: Plantão 190

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA

Aviso importante: A reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo (textos, imagens, infográficos, arquivos em flash, etc) do portal não é permitida e, caso se configure, poderá ser objeto de denúncia tanto nos mecanismos de busca quanto na esfera judicial. Se você possui um blog ou site e deseja estabelecer uma parceria para reproduzir nosso conteúdo, entre em contato por e-mail. Copyright © 2020