Colunas

33% dos eleitores não têm candidato para presidente

(Foto: Reprodução/Internet)

Uma pesquisa para a corrida presidencial, divulgada no sábado (09), indica que um em cada três eleitores não tem um candidato de preferência para a presidência da república. Isso se o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não concorrer. Se Lula concorrer, ele entra como favorito.

Em todos os cenários que não consideram Lula como candidato, 33% dos eleitores dizem não ter candidato. Em seguida aparecem Jair Bolsonado (PSL), com 19% das intenções de voto; Marina Silva (Rede), entre 14% e 15% de intenção de voto; Ciro Gomes (PDT), entre 10% e 11%; Geraldo Alckmin (PSDB), com 7%; e Alvaro Dias (Podemos), com 4%. Nos cenários em que aparecem candidatos petistas, tanto Fernando Haddad quanto Jacques Wagner têm 1% de intenção de voto.

 

Ao permanecer no PDT, Osmar Dias divide o Podemos

Dirigentes do Podemos lamentaram no lançamento da pré-candidatura de Álvaro Dias, na última quinta-feira (07), a permanência de Osmar Dias no PDT.

Segundo os dirigentes do partido, a direção cedeu todas as demandas do ex-senador: deram a presidência da Executiva Estadual para Augustinho Zucchi, combinaram recursos para a pré-campanha e à campanha eleitoral, além do senador Álvaro Dias gravar um vídeo em apoio da candidatura do irmão.

Chegaram a combinar uma data para a filiação, mas o pedetista foi empurrando com a barriga.

Como ele não veio para a legenda, a tendência é liberar os filiados na corrida para o Palácio Iguaçu.

Alguns militantes clamam até mesmo por uma intervenção no diretório estadual para tirar o ex-deputado do comando.

Antes do evento de Álvaro, lideranças do Podemos se reuniram com Ratinho Junior (PSD) e garantiram que 80% da agremiação estará pedindo votos para o peessedista em sete de outubro.

 

“Se tem uma coisa que não sou é conciliadora”, diz pré-candidata do PSOL

A professora universitária Jacqueline Parmigiani (PSOL), que concorreu apenas uma vez em uma eleição - foi candidata a prefeita de Toledo, Oeste do Paraná em 2016 - é a essência do PSOL. Ex-petista, é da ala mais madura do partido, tem 53 anos, e faz parte do grupo fundador, desiludido com as práticas da legenda que ocupou a presidência da República por 13 anos. Jacqueline é feminista, antropóloga e acadêmica. Ela reúne os estigmas da “esquerda universitária”. Uma sondagem pouco mais íntima, até invasiva, no entanto, acrescenta complemento à personagem.

 

Pela 1ª vez, campanha eleitoral não terá financiamento de empresas

Este ano, o eleitor brasileiro vai acompanhar uma campanha diferente, pois, pela primeira vez, está proibida a doação de empresas para os candidatos, conforme determinação do Supremo Tribunal Federal (STF).

Sem o dinheiro das empresas, a saída encontrada por deputados e senadores foi definir novas regras para o financiamento da propaganda eleitoral. Depois de muita polêmica e poucos dias antes do prazo final para a proibição valer em 2018, Câmara dos Deputados e Senado aprovaram a criação do Fundo Especial de Financiamento de Campanha, por meio da Lei 13.487/2017, que soma R$ 1,716 bilhão de recursos públicos. Além desse fundo, as legendas apostam em doações de pessoas físicas e vaquinhas virtuais para aumentar o montante de recursos.