Vale a pena ler de novo

Aldeia Pinhalzinho: Os avançados índios do Norte Pioneiro

Aldeia-Pinhalzinho Um lugar ímpar, e que é capaz de quebrar muitos paradigmas e preconceitos com relação ao povo indígena. Esta é a Aldeia Indígena do Pinhalzinho, que abriga cerca de 160 pessoas. Embora a aldeia faça parte do município de Tomazina, fica próxima à sede do município de Guapirama. E logo na chegada já se nota que, ainda que seja uma aldeia guarani, em nada lembra essas tribos mostradas exaustivamente na televisão, com pessoas nuas pintadas e dançando na frente de um amontoado de ocas. Ali existe uma rica mistura entre modernidade e tradições indígenas, que resultam em uma sociedade democrática, ainda composta por cacique e pagé, mas que toma decisões coletivas sempre visando a manutenção da cultura indígena e o bem estar do grupo, porém com casas com TV a cabo, internet e carros. Neste ambiente as pessoas da aldeia vivem com uma qualidade de vida superior aos moradores dos distritos visitados na série. Com poder direto de participação nas decisões dos rumos a serem tomados, ensino fundamental de qualidade e um posto de saúde bem melhor que a maioria dos postos de saúde que existem em toda a região, os índios impressionam pelo progresso e avanço que conquistaram, contrariando diversos preconceitos contra sua cultura. O passeio pela aldeia é conduzido por Reginaldo Alves, filho do cacique local e participante de movimentos indígenas de todo Brasil, que conta em detalhes o dia a dia da aldeia. A primeira parada é no posto de saúde e já chama atenção. Ali uma equipe médica composta por médico, enfermeira padrão, auxiliar de enfermagem e agente de saúde trabalham diariamente para manter em dia a saúde dos moradores locais. O posto ainda conta com um consultório odontológico e remédios em quantidade suficiente para atender a demanda da aldeia. Já na escola Yvy Porã, que em português quer dizer Terra Boa, e é o nome indígena também da própria aldeia, embora os professores não sejam índios, a direção da instituição é de Jeferson Gabriel Domingues, índio e formado em história. Ali tanto Reginaldo quanto Jeferson destacam a importância de uma educação que ensine as matérias do ensino regular (até porque a escola é estadual), já que muitos índios saem da aldeia para fazer o ensino médio e até o faculdade em outros lugares, porém não abrem mão de instruir os alunos na cultura indígena. “A gente luta para que a educação aqui seja de qualidade, mas que também priorize as questões culturais indígenas, para que além do conhecimento a gente forme uma identidade cultural nos jovens da aldeia”, afirma Jeferson. E essa relação, especialmente dos jovens, entre os índios e o “mundo branco” é uma das grandes preocupações do diretor da escola. “Nós temos um lema aqui que é: posso ter tudo o que você tem, sem deixar de ser aquilo que eu sou”. Já os 300 alqueires de terra de posse da aldeia têm uso variado. São plantações, como arroz e feijão, pastagem e mata fechada. Claro que uma parte disso é de uso coletivo da aldeia. Mas aí entra uma das reclamações dos índios: de acordo com eles, mais de 1000 alqueires foram tomados por posseiros. Mas questões legais à parte, após uma boa volta pela aldeia chega-se à casa do pagé, que é o guia espiritual da aldeia. E aqui, antes de aprofundar nas crenças dos índios, vale o destaque para o “papel social” das lideranças e o respeito tido por eles. “O pagé tem a função de orientar espiritualmente, aconselhar, dar os nomes indígenas para as crianças. Diferente do cacique, que cuida da parte política e burocrática, mas sempre ouvindo as lideranças e os conselhos, já que temos conselhos de saúde, de educação, e por aí vai”, explica Reginaldo, mostrando uma organização social exemplar e democrática, e que atua assim não só na teoria, mas na prática também. José da Silva, o pagé, acompanhado pela esposa, explica a ordem dos rituais e a importância da fé. Em uma longa conversa, o pagé conta sobre seu ofício e diz que entre os rituais mais comuns estão o pedido por chuvas e bênçãos para crianças. “Quando vai ter um ritual tem que se preparar. Alguns chegam a durar até nove dias. Então tem uma alimentação diferenciada, não pode dormir junto com a esposa. Tem que estar purificado para conseguir”. E quando questionados se os pedidos por chuvas, por exemplo, funcionam, os índios são unânimes em dizer sim. “A gente pede com fé, e dentro de até três dias chove, não tem erro”, explica o pagé. Apesar das crenças indígenas se manterem fortes, dentro da aldeia existem índios católicos e evangélicos, provando que há liberdade de escolha. A visita termina fazendo ter a convicção que chamar moradores de locais subdesenvolvidos de índios é um erro grotesco, já que a Aldeia do Pinhalzinho prova que os índios, em diversos aspectos do convívio coletivo e formação cultural, estão bem a frente dos brancos. E no Norte Pioneiro, uma região ainda com sérias carências primárias, os índios mostram ser uma das poucas partes que de fato evoluíram com o passar dos anos.   LUCAS ALEIXO Tomazina