Colunas

Cenário para a disputa pelo governo do Paraná começa a se definir

O deputado estadual Ratinho Júnior (PSD) saiu na frente na corrida pelo comando do Palácio Iguaçu

Faltando pouco mais de dez meses para as eleições de 2018, o cenário para a disputa pelo Governo do Estado começa a se definir. Pelo menos cinco pré-candidatos à sucessão do governador Beto Richa (PSDB) já estão colocados, mas outros devem surgir até julho do ano que vem, quando termina o prazo para as convenções partidárias.

O deputado estadual Ratinho Júnior (PSD) saiu na frente na corrida pelo comando do Palácio Iguaçu. Após deixar em setembro a Secretaria de Estado do Desenvolvimento Urbano (Sedu), que ocupou por quase quatro anos, ele passou a percorrer o Estado em eventos reunindo prefeitos e vereadores e já vem esboçando o discurso que deve exibir na campanha.
Derrotado em 2006 e 2010, o ex-senador Osmar Dias (PDT) prepara-se para tentar o governo pela terceira vez, apoiado em uma imagem de experiência administrativa. Ele também tem percorrido o Estado, e mantido conversas constantes com lideranças, na tentativa de montar uma aliança que sustente sua candidatura.
Governador por três vezes, o senador Roberto Requião (PMDB) tem ensaiado uma nova candidatura ao Palácio Iguaçu, apoiado em um discurso de oposição a Richa. Nos bastidores, porém, a avaliação é de que ele tende a disputar a reeleição para o Senado, que seria mais segura.

 

 

Em convenção do PSDB, Alckmin é aclamado presidente

 

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, foi ovacionado neste domingo (12), como pré-candidato ao Palácio do Planalto por militantes e dirigentes tucanos durante a convenção paulista do PSDB. Em meio à disputa pelo comando nacional da legenda, pela primeira vez ele mudou o tom e já não descarta mais a possibilidade de assumir a sigla. Aos correligionários e lideranças de cinco partidos aliados, Alckmin fez um discurso de campanha para destacar a necessidade de união dos integrantes de sua legenda.

 

 

“Fake news” preocupa o TSE

 

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Gilmar Mendes, defende que a Justiça Eleitoral discuta com instituições públicas, especialistas da área e empresas de redes sociais formas efetivas de combater às notícias falsas, conhecidas como fake news, que são disseminadas na Internet no período eleitoral. “Nós queremos achar um formato que vamos discutir com os colegas do TSE. De fato, o que nós queremos é fazer um monitoramento adequado dessa situação para que não estejamos desprevenidos se vier a ocorrer coisa de maior gravidade”, afirmou.

 

Temer 'quase' renunciou em maio, diz aliado

 

"Não renunciarei! Repito: não renunciarei! Sei o que fiz e sei da correção dos meu atos." A fala contundente do presidente Michel Temer (PMDB) na tarde do dia 18 de maio escondia o fato de que o término antecipado de seu governo tinha sido seriamente discutido nas tensas horas que se seguiram à revelação de que ele havia sido gravado de forma comprometedora no porão do Palácio do Jaburu. Auxiliares confirmaram reservadamente à época que uma carta de renúncia chegou a ser redigida, mas o texto acabou nunca vindo a público.

Veja Também