Mulher brasileira

Com 72 anos, dona Alzira dá lição de vida e inicia curso de Direito

Em homenagem ao Dia Internacional da Mulher, a Folha Extra conta um pouco da história da dona Alzira, moradora de Jaguariaíva que, aos 72 anos, decidiu ingressar na faculdade de Direito

72 anos parece uma boa idade para ingressar em um novo desafio, como começar uma faculdade. Sim, esse foi o momento escolhido pela senhora Alzira Baptista da Cruz para iniciar o curso de Direito, ao lado do filho Adilson Baptista de Araújo.

Mulher, mãe de quatro filhos, vó de nove netos, professora aposentada, dona de casa e agora acadêmica de Direito, na figura de Dona Alzira está projetada a força feminina, que além de todos seus afazeres domésticos e familiares, se propõe a iniciar uma caminhada universitária no auge da vida.

Dona Alzira é aposentada e mora em Jaguariaíva, mas residiu durante muitos anos em Irati, onde se formou em Pedagogia em 1975 e lecionou durante 30 anos. Em fevereiro de 2018, a dedicada aluna de Direito iniciou as aulas na Fati/Fajar (União Latino-Americana de Tecnologia), onde segundo ela, foi bem recebida, tanto por alunos, quanto pelos professores.

Filha do advogado e ex-prefeito de Jaguariaíva, João Baptista da Cruz, Alzira conta que já havia um desejo por parte do pai para que ela seguisse a carreira advocatícia. “Pude ouvir essa declaração do meu pai, através do relato do meu irmão que, durante uma conversa, ouviu ele  afirmar que eu era a representante da família, nunca me esqueço”.

Com a missão de criar os filhos concluída, hoje ela consegue focar sua mente em pontos positivos, mas relembra o quão difícil foi a caminhada ao longo dos anos. “Criei meus filhos sozinha, fazendo papel de pai também, eles, mais do que ninguém fazem parte da minha história”, conta.

O filho e companheiro de estudos, Adilson declara que a mãe sempre foi uma referência em educação para ele e os irmãos. “É um privilégio poder dividir esse momento com a minha mãe, ela que sempre nos mostrou os caminhos da educação, sendo professora, depois universitária e pós-graduada em Educação Especial, mesmo com tanta dificuldade em casa. Minha mãe tem me apoiado e me fazendo ter mais forças do que eu realmente tenho para fazer esse curso, o que é uma das principais características da nossa família”, afirma o filho.

 

ADMINISTRAR  A MENTE                                       

 

Desbravadora de novos caminhos, ela atribui o sucesso na conciliação dos afazeres em uma “boa administração da mente”, como gosta de chamar. “Em qualquer idade nosso tempo precisa ser otimizado, bem planejado e distribuído, hoje em dia, as pessoas acabam perdendo muito tempo com coisas que não agregam valor e acabam se esquecendo das coisas que realmente merecem nossa atenção, os estudos”, afirma.  “Já formei três filhos em Direito e sei o quanto é difícil, conheço o sacrifício para estudar, mas a minha missão agora é estar ao lado do Adilson para que ele e eu possamos concluir mais esta etapa de nossas vidas”, afirma.

Questionada sobre o futuro e em qual área ela gostaria de atuar, dona Alzira afirma não ter ambições à longo prazo. “Prefiro viver um dia após o outro, mas no que me empenhei a fazer, estou engajada, não hei de faltar, levo a sério meus estudos”.

Admiradora do polímata Rui Barbosa, Alzira considera o estudo e a leitura, oportunidades de somar conhecimentos e enriquecer aquilo que é transmitido ao mundo. “Existem tantas coisas inúteis para se ver, ler e ouvir, que é necessário um filtro do que não é frívolo e disperso. Não gasto meu tempo com inutilidades, tenho meu tempo espiritual, cultural e também gosto de uma boa prosa, mas consigo me planejar para que nada me prenda e obstrua outra tarefa”, conclui.