Opinião

Evasão escolar e criminalidade andam de mãos dadas

Assunto abordado pelo deputado estadual Romanelli, no artigo desta semana, trata da estreita relação entre o abandono dos estudos e a iniciação de crianças e adolescentes na criminalidade

No recesso da Assembleia Legislativa e nos feriados do final do ano, fiquei uns dias na praia com a família. Aproveitei para relaxar e também para colocar a leitura em dia. Li e recomendo a leitura do livro “A Formação de Jovens Violentos - Estudo sobre a Etiologia da Violência Extrema”, do sociólogo gaúcho Marcos Rolim.

Na obra, ele investiga as raízes da violência urbana e como é possível que em dois grupos de jovens de idade semelhante, pobres e criados na mesma região, um grupo vira trabalhador e outro grupo vira bandido.

Ele entrevistou um grupo de jovens violentos de 16 a 20 anos que cumpriam pena na Fundação de Atendimento Socioeducativo do Rio Grande do Sul. E pediu a esses jovens que indicassem um colega de infância sem ligação com o crime.

Todos os jovens que cumpriam medidas sócio educativas haviam largado a escola entre 11 e 12 anos e a partir dai, na rua, se aproximado de grupos de marginais. Já os outros colegas de infância continuavam estudando.

A conclusão do sociólogo é que a evasão escolar está na raiz da violência extrema no Brasil e que a prevenção da criminalidade deve levar em conta a redução da evasão escolar no país.

Motivado pela leitura do livro, procurei por mais dados sobre a evasão escolar no Brasil e encontrei o boletim Aprendizagem em foco, da Fundação Unibanco. Descobri que de acordo com o relatório “Cenário da exclusão escolar no Brasil”, divulgado pelo Fundo das Nações Unidas pela Infância e Adolescência (Unicef), no ano passado, existem no país 2,8 milhões de crianças e adolescentes fora da escola. Desse total, 57% (1,6 milhão) são jovens entre 15 e 17 anos.

Os dados revelam que a maioria dos estudantes abandona a escola antes mesmo de completar o ensino fundamental. Dos que ingressam no ensino médio, um percentual expressivo não consegue avançar e desiste. Segundo o Censo Escolar 2015, de cada 100 cem alunos dessa etapa, 12 são reprovados e oito abandonam a escola.

Um levantamento do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) divulgado no ano passado, com base em dados sobre evasão escolar de 2015 revelou que 11,2% dos matriculados no ensino médio abandonavam os estudos antes de se formarem. Entre os estados, o Pará tem a maior taxa de abandono, com 16%. O Paraná tem um dos menores índices, de 9%.

No nosso estado, funciona o Programa de Combate ao Abandono Escolar, um plano de ação destinado a combater a evasão. Se o estudante tiver cinco faltas/dias consecutivos ou sete alternados, a escola atua em conjunto com a rede de proteção à criança e ao adolescente, para evitar que essas faltas se efetivem como evasão escolar.

Sempre que posso, visito as escolas públicas dos municípios que represento na Alep. E posso afirmar, sem sombra de dúvida, que diretores e professores comprometidos fazem toda a diferença. As melhores escolas são as que investem na aproximação com a comunidade, têm uma equipe unida e determinada e que faz o acompanhamento dos jovens problemáticos. É preciso dar voz aos alunos, fazer com que tenham uma relação de pertencimento e se sintam acolhidos no ambiente escolar.

Não existem receitas prontas para combater a evasão escolar, assim como não há um modelo para evitar o envolvimento dos jovens que deixam a escola com a criminalidade.

Mas é certo que os governos precisam oferecer alternativas que permitam aos jovens permanecer na escola. Acredito que um dos caminhos é a oferta de cursos profissionalizantes na rede pública e a busca pelo engajamento dos empresários em programas como o Jovem Aprendiz.

Ao mesmo tempo, é preciso criar politicas públicas que permitam a inserção social e profissional de jovens infratores, antes que voltem as ruas e se tornem marginais profissionais.

 

Luiz Cláudio Romanelli, advogado e especialista em gestão urbana, ex-secretário da Habitação, ex-presidente da Cohapar, e ex-secretário do Trabalho, é deputado pelo PSB e líder do governo na Assembleia Legislativa do Paraná. Escreve às segundas-feiras sobre Poder e Governo.

Veja Também