Norte Pioneiro

Presos libertam refém e encerram rebelião na cadeia de Ibaiti

Novo motim começou no fim da tarde de sábado (22) e encerrou por volta das 5h de domingo (23). Durante a rebelião, carros foram incendiados e armas de fogo quebradas
A rebelião iniciou depois que os detentos arrombaram uma das portas da galeria e renderam o agente penitenciário (Foto: Divulgação (PM))

Depois de mais um triste episódio de rebelião na cadeia pública de Ibaiti, presos libertaram o agente penitenciário que era feito refém e acabaram com o motim neste domingo (23). Segundo a Polícia Militar a revolta dos presos começou por volta das 17h de sábado (22) e terminou às 5h. O agente felizmente não se feriu.

A rebelião iniciou depois que os detentos arrombaram uma das portas da galeria e renderam o agente penitenciário que estava de plantão na hora. Durante o período de negociações, o entorno da cadeia, situada no centro da cidade, próximo ao hospital, restaurantes e empresas, foi isolado pela PM e um princípio de incêndio chegou a ser registrado.

A conseqüência pós rebelião revelou um estado de depredação total ao patrimônio público. Os detentos quebraram cadeados de galerias, danificaram a parte administrativa da delegacia, cinco armas de fogo, entre elas submetralhadora e espingardas, que estavam dentro de um cofre foram quebradas, além de três carros que estavam do lado de fora da cadeia que ficaram destruídos após o incêndio.

Neste domingo, a polícia informou que durante a rebelião 11 detentos conseguiram escapar da unidade prisional, mas três deles já tinham sido recapturados até as 9h30. Dois internos, identificados como líderes do motim, foram transferidos para Londrina. Ainda segundo a PM, havia 83 presos quando a rebelião começou na cadeia, que de acordo com informações, foi projetada para receber apenas 30 detentos.

NEM A PRIMEIRA, NEM A SEGUNDA VEZ

Pânico, destruição, uma pessoa ferida e 28 fugitivos. Esse foi o balanço final da rebelião ocorrida na cadeia pública de Ibaiti em agosto de 2018. O motim, desta vez, teve início na noite de 14 de agosto e terminou 12 horas depois, seis delas de muita negociação entre a polícia e os detentos que tomaram a unidade. Na ocasião 30 presos foram transferidos para a cadeia de Cornélio Procópio. A 37ª Delegacia Regional de Polícia ficou interditada para reforma durante um mês.