Política

Sociedade reivindica aumento do efetivo policial em Jaguariaíva

Durante uma audiência pública, a criação de uma companhia independente foi sugerida pelo capitão da Polícia Militar como uma maneira de solucionar a defasagem no efetivo
Autoridades se comprometeram a realizar uma mobilização coletiva para que o governador atenda o pedido (Fota: Folha Extra)

A questão da segurança pública tem sido discutida amplamente no município de Jaguariaíva, para isso a união das autoridades tem sido imprescindível para que medidas sejam tomadas no intuito de reduzir a criminalidade no município.

Na última quarta-feira (7), uma nova audiência foi proposta pela Câmara de Vereadores, presidida por José Marcos Pessa Filho, o Marquito (PSDB) para discutir, desta vez, a criação de uma companhia independente da Polícia Militar em Castro, que atenderia os municípios mais próximos, incluindo Jaguariaíva, de maneira mais efetiva, visto que atualmente, a maior parte da região dos Campos Gerais é atendida pelo 1° Batalhão de Ponta Grossa.

Com a proposta de criação de uma Cia Independente em Castro, esta, que já atende os municípios de Carambeí, Piraí do Sul, Arapoti, Sengés e Jaguariaíva, conta atualmente com 97 policiais, para uma média de 212 mil habitantes, passaria a contar com um efetivo de 252 policiais, como explicou o capitão Clodoaldo José Gonçalves. “Se pudermos reunir as forças políticas focadas neste objetivo é possível criar uma Cia independente e mais que dobrar o efetivo, contudo isso é uma decisão política que precisa da assinatura do governador Beto Richa, não depende só da polícia, mas essencialmente do pedido dos governantes que tem vivenciado a crise na segurança pública em seus municípios”, afirma.

No encontro, além do público composto por empresários e membros da Aciaja (Associação Comercial, Industrial e Agrícola de Jaguariaíva); o promotor de Justiça Marcos Antônio Lopez Stamm; a promotora Substituta Thaís Bueno Martins Ribeiro; o advogado e presidente da Subseção de Castro da OAB Paraná, João Lozeski; também o 2° sargento Vitor Paulo Onisko e o prefeito municipal e presidente da AMCG (Associação dos Municípios dos Campos Gerais) Juca Sloboda (DEM), que também fez uso da palavra.

“Me comprometo a reunir os prefeitos que fazem parte da AMCG e que estão a frente destes municípios que fazem parte da 3ª Cia. Em alguns dias teremos a presença do governador em um evento aqui em Jaguariaíva, no qual podemos mobilizar a sociedade em um pedido coletivo para instituir essa companhia alternativa”, sugeriu o prefeito.

O Ministério Público por sua vez, na figura dos promotores, deu posição favorável à instituição de uma companhia que permita o aumento do efetivo, visto que eles também tem presenciado o crescimento da criminalidade, fato correlacionado pela promotora substituta Thaís, ao número de presos que alcançou a marca de 110, na cadeia pública de Jaguariaíva.

Alguns membros da comunidade também se manifestaram a favor da nova companhia, como o empresário Edson Balloni; Abel Pinto de Oliveira e o procurador da Câmara Municipal, Nivaldo Lucas Filho.

Em entrevista à Folha Extra, o capitão Gonçalves, afirmou que a mudança é possível e que, inclusive, já aconteceu em duas cidades que apresentavam altos índices de criminalidade, Telêmaco Borba e Irati.

“Talvez a solução não ocorra de maneira imediata, mas a criação da companhia, acaba criando expectativa de vaga e, no momento vejo como a única saída para sanar esse problema na nossa segurança pública”, finalizou.