conecte-se conosco

unopar

Internacional

Casos de coronavírus nos EUA vão a 7.087; mortes chegam a 97

Publicados

em


.

O Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos reportou nesta quarta-feira 7.087 casos de coronavírus no país, um aumento de 2.812 casos em relação ao relatório anterior, e informou que o número de mortes aumentou em 22 para 97.

Os dados se referem à totalização na tarde de terça-feira (18). A agência disse que os casos de coronavírus foram relatados por todos os 50 Estados norte-americanos, em comparação aos 49 reportados anteriormente. Também foram relatados casos no Distrito de Columbia e em três territórios.

A contagem inclui 49 casos entre pessoas repatriadas do Japão e Wuhan, China, onde o surto começou.

Os números não refletem necessariamente casos relatados por Estados individuais.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Folha Extra entrevista o presidente da OAB, Paulo Madeira
Propaganda

Esportes

Fórmula 1 vai evitar países com sistemas de saúde debilitados e insuficientes

Publicados

em

A Fórmula 1 vai evitar ir a países com sistemas de saúde debilitados em razão da pandemia do novo coronavírus e incapazes de garantir a segurança das pessoas, assegurou o austríaco Alexander Wurz, presidente da Associação dos Pilotos de Grande Prêmio (GPDA, na sigla em inglês).

“Não iremos a países onde a crise da saúde seja tão grave que não haja capacidade suficiente em seu sistema médico”, enfatizou Wurz, em entrevista ao “Vodcast” da emissora Sky Sports.

O representante dos pilotos participou de uma reunião via videoconferência com o chefão da Fórmula 1, Chase Carey, e o presidente da Federação Internacional de Automobilismo (FIA), Jean Todt, em que foram discutidas maneiras de minimizar os ricos de contágio durante a temporada, que ainda está para ser iniciada.

“Não houve negociação, apenas debate para contribuir com ideias a fim de certificarmos que possamos retornar o mais breve possível e, acima de tudo, da maneira mais segura. Jean Todt e Chase Carey deixaram isso bem claro”, afirmou o ex-piloto.

Wurz garantiu que a Fórmula 1 se tornou uma “indústria extremamente segura” após as mortes do austríaco Roland Ratzenberger, durante treino classificatório para o GP de San Marino de 1994, e de Ayrton Senna, na corrida no dia seguinte. No entanto, agora, com o coronavírus, os planos terão de ser repensados para assegurar a segurança de todos os envolvidos.

Leia Também:  Senado aprova mais de R$ 50 milhões para municípios da região enfrentarem a Covid-19

“Todos, os mecânicos, os líderes de equipe, os comissários estão acostumados a seguir protocolos de segurança muito rigorosos. E isso funcionou fantasticamente durante as últimas três décadas. O automobilismo, sem redução de desempenho, tornou-se extremamente seguro”, analisou.

A temporada da Fórmula 1, cujo início foi adiado em razão da pandemia do novo coronavírus, está programada para começar em julho, com o GP da Áustria como corrida inaugural. A pandemia afetou até o momento dez etapas do Mundial, entre cancelamentos e adiamentos. Uma das provas canceladas foi o GP da Austrália, que abriria a temporada.

A previsão, com o calendário reformado, é de realizar entre 15 e 18 corridas neste ano. O encerramento pode ser em dezembro, com as provas no Bahrein e nos Emirados Árabes Unidos.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA

Aviso importante: A reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo (textos, imagens, infográficos, arquivos em flash, etc) do portal não é permitida e, caso se configure, poderá ser objeto de denúncia tanto nos mecanismos de busca quanto na esfera judicial. Se você possui um blog ou site e deseja estabelecer uma parceria para reproduzir nosso conteúdo, entre em contato por e-mail. Copyright © 2020