conecte-se conosco


NOTÍCIA BOA

Nova Zelândia tem abraços, compras e mãos dadas: desconfinamento

Publicados

em

Rodoviária de Christchurch, Nova Zelândia - Foto: Mark Baker / Associated Press

#NOTÍCIABOANAFOLHA #HOJESÓNOTÍCIABOA

Enquanto grande parte do mundo ainda sofre com a pandemia do coronavírus, a população da Nova Zelândia vive o chamado desconfinamento e voltou à ruas com abraços, compras e passeios de mãos dadas, nesta terça 9.

“Hoje vi mais pessoas do que vi em meses. As pessoas estão comprando, jantando e passeando de mãos dadas”, disse Steve Price, morador da capital Wellington.

“Acabei de me dar conta de que posso abraçar alguém hoje”, comemorou um usuário do Twitter com a hashtag #NZSemCovid.

Os escritórios reabriram. Ônibus e trens estavam repletos de usuários do transporte intermunicipal no primeiro dia da chamada “volta ao novo normal”, após mais de três meses de restrições para conter a propagação do coronavírus.

O comércio ainda tem frascos de gel antisséptico na entrada, embora isso não seja mais obrigatório.

Os bares estão reabrindo as pistas de dança e esperam muito público na nesta sexta-feira, 12.

A única restrição que se manteve foi o fechamento da fronteira com outros países.

Leia Também:  Cientistas identificam anticorpos capazes de bloquear infecção pela Covid-19

Livre do coronavírus

Na última segunda, 8, a primeira-ministra Jacinda Ardern, declarou que a nação de 5 milhões de habitantes do sul do Pacífico está livre do coronavírus.

Assim, a Nova Zelândia se tornou um dos primeiros países do planeta a voltar à normalidade pré-pandemia.

Com isso, as pessoas voltaram a frequentar cafés, shopping centers, estádios, baladas e a fazer reuniões públicas e particulares.

Sete semanas

Diferentemente dos americanos e da maioria dos países da Europa, que trabalham com a ideia de conter o coronavírus, a Nova Zelândia optou por uma estratégia de eliminar completamente o vírus.

Foram quase sete semanas de isolamento rígido. A maioria das empresas ficou fechada e todos tiveram que ficar em casa, com exceção dos trabalhadores essenciais.

A primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, elogiada por sua liderança durante a pandemia, impôs ciclos de isolamento social completo.

Ela impôs regras de isolamento social severas, antes mesmo do primeiro óbito e também em testagem em massa da população.

As fronteiras da Nova Zelândia estão fechadas desde o dia 19 de março.

Leia Também:  China alerta para nova pneumonia mais mortal que a covid-19

O isolamento foi eficaz, já que o país é uma ilha.

O resultado foi uma pandemia controlada, com 1.504 casos e 22 mortes pela Covid-19.

Com informações da Veja, Reuters e AP

COMENTE ABAIXO:

Internacional

Governo do Paraná e Rússia vão assinar acordo para fabricação de vacina contra coronavírus

Publicados

em

Foto: Reprodução/Internet

O Governo do Paraná anunciou que vai assinar um convênio com a estatal russa para produzir a vacina Sputnik V. O acordo prevê que o Paraná poderá fazer testes, produzir e distribuir a vacina.

A previsão é de que o convênio seja assinado pelo governador Ratinho Júnior (PSD) e o embaixador da Rússia, às 14h nesta quarta-feira (12).

O Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar) será responsável por todas as etapas, desde a pesquisa até a distribuição das doses da vacina russa.

Ainda conforme o governo, o passo seguinte à assinatura do acordo é o compartilhamento do protocolo russo com a Anvisa, para que a agência brasileira libere a realização dos procedimentos necessários para os testes.

Jorge Callado, presidente do Tecpar, ressaltou que a pesquisa vai avançar conforme o compartilhamento as informações. Se tudo ocorrer dentro dos protocolos previstos, a distribuição não deve ocorrer antes do segundo semestre de 2021.

“Antes da liberação, não há possibilidade de colocar nada em prática. Reitero que a prudência e a segurança são palavras-chave nesse processo”, pontuou o presidente do Tecpar.

É importante essa assinatura para que essa condição de troca de informações comece, afirmou o presidente do Tecpar.

“Cada passo no seu momento adequado, não podemos queimar etapas”, disse

Vacina russa

Mesmo com o anúncio, especialistas internacionais questionam a pesquisa porque não há publicações científicas sobre sua eficácia.

Conforme registro no site da Organização Mundial de Saúde (OMS) do dia 31 de julho, sobre as vacinas para Covid-19 em desenvolvimento no mundo, a vacina russa ainda estava na fase 1 do processo. Para desenvolver uma imunização, são necessárias 3 etapas.

Leia Também:  Granizo na forma de coronavírus assusta moradores

Nesta terça (11), a OMS comentou o anúncio da vacina russa. A entidade declarou que a Rússia “não precisa de sua aprovação” para registrar a vacina, e que precisará ter acesso aos dados da pesquisa para avaliar a eficácia e segurança da imunização para aprová-la.

Conforme as informações russas, o Brasil vai participar da fase 3 dos estudos clínicos, que tem previsão para começar na quarta-feira (12). Serão 2 mil participantes; além dos brasileiros, deve haver voluntários da própria Rússia, dos Emirados Árabes, da Arábia Saudita e do México.

Tratativas com o Paraná

No dia 24 de julho, o governo paranaense havia informado que a cooperação técnica com a Rússia estava em andamento.

O possível acordo foi tratado em uma reunião, em Brasília, entre o chefe da Casa Civil, Guto Silva, e o embaixador da Rússia no Brasil, Sergey Akopov.

Pesquisa no Tecpar

Ao anunciar a parceria com a Rússia, o presidente do Tecpar está otimista com a possibilidade de ter resultados positivos com a imunização. Contudo, o presidente do Instituto ressalta que a produção e distribuição serão pautadas pela segurança e prudência.

“É um laboratório de referência em termos internacionais. Após esse ajuste com o Governo da Rússia, as tratativas tecnológicas e científicas começam. É importante nos pautarmos com prudência, segurança e transparência dentro desse processo””, afirmou Jorge Callado.

Somente após a autorização da Anvisa, o governo do Paraná afirma que vai avançar para as próximas etapas do processo.

Leia Também:  Governo do Paraná e Rússia vão assinar acordo para fabricação de vacina contra coronavírus

“É algo muito preliminar. Não existe compromisso de produção firmado enquanto as etapas não forem validadas, não forem consolidadas e não forem liberadas pela Anvisa. É um começo de um intercâmbio de informações. Nós avançaremos se tivermos informações necessárias para tanto. Caso contrário, não”, pontuou o presidente do Tecpar.

Sobre a parceria entre o estado e o governo russo, Callado contou que o Tecpar foi procurado pela embaixada Russa porque o instituto é reconhecido pela inovação.

“Nós fomos procurados e, como instituto de tecnologia, nós temos que estar abertos, receptivos, para novas tecnologias. Mas, é claro, isso precisa ficar muito mais aprofundado, mais esclarecido”, afirmou.

Pesquisas

Ao todo, 165 vacinas contra a Covid-19 estão sendo pesquisadas em todo o mundo, segundo os dados da OMS no dia 31 de julho. Cinco dessas imunizações estão na fase final de testes em humanos (a fase 3).

No Brasil, há três vacinas sendo testadas contra a Covid-19.

Em julho, foi anunciado o início dos testes de uma vacina chinesa contra o novo coronavírus no Brasil. No Paraná, profissionais de saúde voluntários – público considerado mais exposto ao contágio – foram os primeiros a receber as doses da pesquisa chinesa.

Via: globo.com
COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA

Aviso importante: A reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo (textos, imagens, infográficos, arquivos em flash, etc) do portal não é permitida e, caso se configure, poderá ser objeto de denúncia tanto nos mecanismos de busca quanto na esfera judicial. Se você possui um blog ou site e deseja estabelecer uma parceria para reproduzir nosso conteúdo, entre em contato por e-mail. Copyright © 2020