conecte-se conosco


PESQUISA

Desemprego diante da pandemia tem alta de 27,6% em quatro meses no país, aponta IBGE

Publicados

em

Foto: Reprodução Jornal Nacional.

O Brasil encerrou o mês de agosto com cerca de 12,9 milhões de desempregados, 2,9 milhões a mais que o registrado em maio, o que corresponde a uma alta de 27,6% no período. É o que apontam os dados divulgados nesta quarta-feira (23) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Já a população ocupada no mercado de trabalho foi estimada em 82,1 milhões de pessoas, acumulando redução de 2,7% em relação a maio, quando este contingente somava cerca de 84,4 milhões de pessoas.

Com isso, a taxa de desocupação ficou em 13,6%, a maior no acumulado mensal desde então.

Entre as cinco regiões do país, as maiores taxas foram observadas no Nordeste (15,7%), no Norte (14,2%) e no Sudeste (14,0%). Já as regiões Centro-Oeste (12,2%) e Sul (10,0%) tiveram taxa inferior à média nacional.

O IBGE destacou que a Região Sul foi a única a apresentar queda da população desempregada na passagem de julho para agosto.

Os números do desemprego acumulados ao longo de agosto ficaram abaixo do registrado no fechamento da quarta semana do mês, terminada no dia 29. Até aquela data, o país havia registrado recorde no número de desempregados durante a pandemia, com este contingente somando cerca de 13,7 milhões de pessoas, o que deixou a taxa em 14,3%.

O IBGE destacou que a taxa de desocupação entre as mulheres foi maior que a dos homens – 16,2% e 11,7%, respectivamente – o que foi observado em todas as Grandes Regiões.

Por cor ou raça, a taxa era maior entre as pessoas de cor preta ou parda (15,4%) do que para brancos (11,5%).

Já por grupos de idade, os mais jovens apresentaram taxas maiores (23,3% para aqueles de 14 a 29 anos de idade). Por nível de escolaridade, aqueles com nível superior completo ou pós-graduação tiveram as menores taxas (6,8%).

Leia Também:  Número de mortes violentas aumenta 14,8% no semestre da pandemia no Paraná

Flexibilização promove maior busca por emprego

 

O levantamento do IBGE mostrou que ao final de agosto, 27,2 milhões de brasileiros disseram que gostariam de trabalhar, mas que não buscou trabalho ao longo do mês. Destes, 17,5 milhões (64,4%) alegaram que deixaram de buscar uma colocação no mercado de trabalho devido à pandemia ou à falta de trabalho na localidade, mas gostaria de trabalhar.

Em maio, quando teve início da pesquisa, somava 70,2% o total de pessoas que apontou o isolamento social promovido pela pandemia como o principal motivo para não procurar por emprego. Isso indicaria que a flexibilização do isolamento social, que avança por todo o país, faz com que mais pessoas pressionem o mercado de trabalho em busca de uma oportunidade de ocupação.

Além disso, a pesquisa mostrou que, em agosto, cerca de 4,1 milhões de trabalhadores permaneciam afastados do local de trabalho devido às medidas de isolamento social. Esse contingente teve queda de 73,6% na comparação com maio, quando somavam mais de 15,7 milhões o número de trabalhadores afastados por este motivo.

“Um reflexo do avanço no processo de retomada gradual das atividades foi o segundo aumento consecutivo, tanto no âmbito nacional quanto em todas as Grandes Regiões, do número de horas efetivamente trabalhadas para as pessoas ocupadas”, enfatizou o IBGE.

De acordo com o levantamento, em agosto, 21,7% das pessoas ocupadas e não afastadas do trabalho disseram ter trabalhado efetivamente menos horas que as habituais. Apenas 3,9% das pessoas ocupadas e não afastadas disseram ter trabalhado mais horas que o habitual.

Informalidade volta a ter alta

 

De acordo com a pesquisa, o país encerrou agosto com 27,9 milhões de pessoas trabalhando na informalidade. Na comparação com maio, quando esse contingente era de 29,3 milhões, houve queda de aproximadamente 5% no número de trabalhadores informais.

Leia Também:  Pesquisa aponta que 88% dos brasileiros tomariam vacina contra Covid-19

No entanto, na comparação com julho (27,4 milhões), esse contingente teve alta de cerca de 2% – foi a primeira alta mensal desde então, já que de junho para julho também houve queda, de 6%, desse contingente.

“Em todas as crises que a gente atravessou até agora, o mercado formal teve sempre uma baixa muito grande, que também é observada entre os trabalhadores informais. Com a recuperação do mercado, é esperado que a primeira reação se dê pela informalidade, com os trabalhadores informais retomando as suas atividades”, apontou o diretor-adjunto de pesquisas do IBGE, Cimar Azeredo.

São considerados como trabalhadores informais pelo IBGE aqueles empregados no setor privado sem carteira assinada, trabalhadores domésticos sem carteira, trabalhadores por conta própria sem CNPJ e empregadores sem CNPJ, além de pessoas que ajudam parentes.

Com a alta na passagem de julho para agosto, a taxa de informalidade subiu de 33,6% para 33.9%, o que, no entanto, é considerado pelo IBGE como estabilidade estatística.

Pnad Covid X Pnad Contínua

 

O levantamento foi feito durante o mês de agosto por meio da Pnad Covid19versão da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua realizada com apoio do Ministério da Saúde para identificar os impactos da pandemia no mercado de trabalho e para quantificar as pessoas com sintomas associados à síndrome gripal no Brasil.

Apesar de também avaliar o mercado de trabalho, a Pnad Covid19 não é comparável aos dados da Pnad Contínua, que é usada como indicador oficial do desemprego no país, devido às características metodológicas, que são distintas. Os dados da Pnad Contínua mais atuais são referentes a julho, e apontaram uma alta do desemprego para 13,3%, com queda recorde no número de ocupados.

Via: G1.com

COMENTE ABAIXO:

Nacional

Número de mortes violentas aumenta 14,8% no semestre da pandemia no Paraná

Publicados

em

Foto: Ilustrativa - Reprodução/Internet

No primeiro semestre deste ano, as mortes violentas intencionais aumentaram 7,1% no país, seguindo a tendência de elevação iniciada no último trimestre de 2019. De acordo com o 14º Anuário Brasileiro de Segurança Pública, divulgado nesta segunda-feira (19) pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), foram registradas 25.712 ocorrências, contra 24.012 da primeira metade de 2019. Ou seja, a cada dez minutos, uma pessoa perdeu a vida, vítima de assassinato. No Paraná, o aumento foi superior ao dobro nacional com 14,8%.

São consideradas mortes violentas intencionais o homicídio doloso, a lesão corporal seguida de morte, o latrocínio e as mortes decorrentes de intervenção policial. Os homicídios dolosos (8,3%) e as mortes decorrentes de intervenção policial (6%) foram os que mais tiveram aumento. De 2019 para 2020, o número de casos passou de 20.105 para 21.764 e de 3.002 para 3.181, respectivamente.

De modo inverso, caiu o total de vítimas de lesão corporal seguida de morte (-7,9%), de 407 para 375 e de vítimas de latrocínio (-13,6%), de 832 para 719. Devido às medidas de isolamento e distanciamento social, os episódios de crimes patrimoniais apresentaram redução de -24,2%, taxa resultante da diferença entre 680.359 casos de 2019 e os 515.523 de 2020.

Pandemia
Segundo a diretora-executiva do FBSP, Samira Bueno, a instituição trabalha “mais com hipóteses” do que com certezas para tentar compreender os dados compilados no relatório, tendo em vista que a pandemia de covid-19 ainda é um contexto inédito. Apesar de reconhecer que a análise requer um nível de assimilação da conexão entre elementos, ela aponta alguns fatores que podem ter correspondência com a realidade constatada:

“De um lado, a gente vê o que indica o fim da trégua de grupos criminosos, ou seja, um aumento de conflitos relativos ao tráfico internacional de drogas e armas, que é o que reverbera principalmente no Norte do país, e no Nordeste, que são rotas importantes do tráfico, especialmente de cocaína e outras drogas. Então, essa mudança de relações de força entre grupos criminosos, essas disputas se acirram durante a pandemia e isso acaba produzindo muitas mortes.”

Leia Também:  Com salário de até R$ 20 mil, país tem mais de 100 concursos abertos

“De outro lado, temos um incremento nos casos de violência doméstica, de violência interpessoal, que refletem nos casos de feminicídio. Os casos de feminicídio vêm crescendo ao longo de vários anos, e isso não é exclusivo desse momento em que estamos vivendo. Mas, ao que tudo indica, a pandemia acentuou a violência, na medida em que são mais mulheres que já viviam situações de vulnerabilidade, na violência, e passam mais tempo com seus agressores.”

Segundo a diretora, o estancamento generalizado da criminalidade, imaginado para o período da crise sanitária, não se confirmou.

 

Reivindicações da polícia e proteção

De acordo com o relatório, a alta no índice de mortes violentas intencionais foi observada em 21 unidades federativas. O maior crescimento desse tipo de crime ocorreu no Ceará, que quase dobrou o número de casos (96,6%). O patamar muito acima da média nacional foi um comportamento partilhado por outros 13 estados: Paraíba (19,2%), Maranhão (18,5%), Espírito Santo (18,5%), Sergipe (16,8%), Alagoas (15,1%), Paraná (14,8%), Santa Catarina (14%), Rondônia (13,4%), Tocantins (12,5%), Pernambuco (11,8%), Rio Grande do Norte (11,8%), Bahia (10,1%) e São Paulo (8,2%).

Leia Também:  Pesquisa aponta que 88% dos brasileiros tomariam vacina contra Covid-19

O relatório indica que estado do Ceará enfrentou uma crise na segurança pública, no início deste ano, marcado pela greve da Polícia Militar, ocorrida em fevereiro. A paralisação da categoria, que durou 13 dias, gerou “impactos importantes” nos indicadores de segurança da região, de acordo com o FBSP..

Para o diretor-presidente do fórum, Renato Sérgio de Lima, o que se vê no Brasil é a naturalização de agressões. “A gente continua sendo um país profundamente violento, onde não conseguimos resolver, enfrentar o problema de forma satisfatória. Continuamos a banalizar a vida”, disse. Ele destacou que o relatório tem como referência mais de 60 fontes de informação, não se restringindo a analisar somente a base de dados de autoridades policiais.

Com relação ao Ceará, o diretor ressaltou que se trata de um exemplo “emblemático”, porque ilustra o resultado da separação do debate em torno do cotidiano das forças de segurança pública e das pautas de funcionamento das polícias, tratando os dois assuntos como se não tivessem ligação nenhuma.

“Esse precedente se deu preponderantemente em fevereiro, a partir do momento em que teve um movimento de greve e foi quando acabou se associando a uma reorganização das facções de base do sistema prisional e provocou o esvaziamento de um esforço que estava sendo feito antes”, disse.

 

VIA: AGÊNCIA BRASIL.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA

Aviso importante: A reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo (textos, imagens, infográficos, arquivos em flash, etc) do portal não é permitida e, caso se configure, poderá ser objeto de denúncia tanto nos mecanismos de busca quanto na esfera judicial. Se você possui um blog ou site e deseja estabelecer uma parceria para reproduzir nosso conteúdo, entre em contato por e-mail. Copyright © 2020