20 C
Wenceslau Braz

Covid: é hora e vez dos municípios

“Procure descobrir o seu caminho na vida. Ninguém é responsável por nosso destino, a não ser nós mesmos”. - Chico Xavier

Filiação de Sergio Moro ao Podemos muda o cenário eleitoral de 2022

Estamos vivendo um momento histórico. A filiação de Sergio Moro ao Podemos, que acontece nesta quarta-feira (10) muda o cenário eleitoral de 2022 e...

Bom exemplo começa dentro de casa

O Brasil, principalmente as regiões Sul e Sudeste, passa por uma crise hídrica sem precedente. Chegamos a esse ponto, literalmente desesperador, por fatores climáticos,...

O futuro no Paraná é agora

O Governo do Paraná vem trabalhando dia após dia no presente projetando e transformando em realidade o futuro do nosso Estado. Sob o comando...

Com nova concessão, tarifas dos pedágios paranaenses vão cair pela metade

Depois de mais de duas décadas de contratos que criaram as praças de pedágio mais caras do Brasil, o Governo do Estado e o...

Decisiva no enfrentamento à pandemia, Assembleia também é protagonista em debates sobre pedágio e ferrovias

O semestre que se encerrou talvez tenha sido o mais difícil da história do Paraná. Quando parecia que a pandemia da Covid-19 começava a...
- Advertisement -

Por: Luiz Claudio Romanelli*

Todos temos que extrair uma lição daquilo que acontece com a gente. Vivi o drama da infecção pelo coronavírus, mesmo tomando todos os cuidados sanitários e de distanciamento social. Mesmo vacinado, tive sintomas moderados e senti os efeitos que a infecção provoca. Foram 19 dias de tratamento – 11 deles, hospitalizado.

- Advertisement -

Esta experiência reforçou meu entendimento de que a Covid-19 realmente não é uma doença simplória. Não se trata de uma gripezinha. Não é mimimi. O número de mortes que ela provocou é retrato fiel do mau que faz. No Brasil, choramos 500 mil vítimas. No Paraná, foram 30 mil vidas perdidas.

Não é o negacionismo patrocinado pelo governo federal que resolverá o problema. Não é a imunidade de rebanho que salvará vidas. Ao contrário. O risco é que esta medonha estratégia, fortemente defendida pelo presidente Jair Bolsonaro e seus asseclas, acelere o número de mortos.

É cada vez mais evidente que quem deveria proteger a vida dos brasileiros nunca acreditou na única forma eficaz de combater a Covid e sabotou a vacinação. A compra de imunizantes só ocorreu em função da necessidade de um contraponto político, logo após o governador João Dória viabilizar a Coronavac.

A soma de erros, desmandos e incompetência nos conduziu ao desastre e não adianta esperar uma mudança de rumo. De um lado, porque não há remédio para a esquizofrenia que assola o governo da União. De outro, em razão da politização da pandemia. Trata-se de mais um caso que tentam resumir ao “nós contra eles”.

É necessário reconhecer que o governo federal deseduca e desorienta. Estimula que o vírus circule. Dali não dá para esperar mais nada. Os governos estaduais seguem correndo atrás de dar assistência médico-hospitalar ao crescente número de doentes. Mesmo com a vacinação, é um trabalho como enxugar gelo porque a medicação chega a conta gotas.

Tomemos o caso do Paraná: são quase 80 mil novos registros de infecção entre 18 e 24 de junho, de acordo com o boletim epidemiológico da Secretaria de Estado da Saúde. A taxa de transmissão (RT) bateu em 1,43. É a maior do País, conforme o portal Loft.

O agravamento do quadro fez o governo estadual anunciar uma nova metodologia de distribuição de vacinas. A intenção é imunizar 80% dos adultos até agosto e equilibrar a vacinação por faixa etária, superando as diferenças entre municípios.

O que observamos, contudo, é que, mesmo com a vacinação, a taxa de transmissão continua acelerada. Os imunizantes em uso no Brasil, apesar de boa eficácia, não conseguem frear a proliferação do vírus, que continua circulando muito forte, infectando cada vez mais pessoas, matando muita gente e pressionando o sistema de saúde.

Em razão da situação atual, avalio que os municípios precisam assumir um protagonismo maior no enfrentamento da pandemia. As pessoas vivem nas cidades e é ali que deve haver o fortalecimento das ações. Cabe aos gestores locais buscar o apoio necessário para proteger as suas populações.

Os municípios conseguem monitorar os moradores, podem promover o isolamento de infectados, incentivar medidas sanitárias, o uso de máscara e adotar o isolamento social, se necessário, além de ter condições de realizar testagem em massa. Tudo isso ajudaria a diminuir os índices de contaminação.

O Paraná pode, de forma pioneira, estabelecer metas de redução da transmissão se atuarmos em conjunto. É possível criar um ranking, com base em indicadores de eficácia, que classifique os bons resultados e exemplos locais e que inspire todas as cidades a adotar as boas práticas de prevenção.

O fato concreto é que precisamos rever as formas de combater a pandemia até que a vacina alcance a totalidade da sociedade. Cada município tem que passar a ter controle absoluto do seu território em relação à doença. Isso só pode ser feito por quem está lá.

Minha experiência com a Covid também foi um tempo de reflexão. Se a estratégia atual não mudar, seguiremos somando doentes. Não dá mais para ficar assistindo como passageiros que outras pessoas continuem embarcando para a morte.

*Luiz Claudio Romanelli, advogado e especialista em gestão urbana, é deputado estadual e vice-presidente do PSB do Paraná

- Advertisement -

Deixe uma resposta

[the_ad id=”263755″]

MAIS NOTÍCIAS

Filiação de Sergio Moro ao Podemos muda o cenário eleitoral de 2022

Estamos vivendo um momento histórico. A filiação de Sergio Moro ao Podemos, que acontece nesta quarta-feira (10) muda o cenário eleitoral de 2022 e contribui de forma inequívoca para...

Bom exemplo começa dentro de casa

O Brasil, principalmente as regiões Sul e Sudeste, passa por uma crise hídrica sem precedente. Chegamos a esse ponto, literalmente desesperador, por fatores climáticos, ou seja, chuva bem abaixo...

O futuro no Paraná é agora

O Governo do Paraná vem trabalhando dia após dia no presente projetando e transformando em realidade o futuro do nosso Estado. Sob o comando do governador Ratinho Júnior, estamos...

Com nova concessão, tarifas dos pedágios paranaenses vão cair pela metade

Depois de mais de duas décadas de contratos que criaram as praças de pedágio mais caras do Brasil, o Governo do Estado e o Ministério da Infraestrutura tomaram as...

Decisiva no enfrentamento à pandemia, Assembleia também é protagonista em debates sobre pedágio e ferrovias

O semestre que se encerrou talvez tenha sido o mais difícil da história do Paraná. Quando parecia que a pandemia da Covid-19 começava a dar sinais de queda, o...

A gestão 20/21 é traduzida em reuniões virtuais

Companheiros e companheirasEmbora diferenciada, pois não havia contato pessoal, houve uma participação e execução da grande maioria do dos clubes do distrito em seus projetos, adaptando-se a nova realidade...

Auxílio no momento mais difícil

Chegamos ao meio do ano de 2021 com as angústias da pandemia do coronavírus ainda atormentando o mundo. É uma pressão absurda sobre o sistema público de saúde, dificuldades...

A importância da garantia da liberdade de expressão em um Estado democrático de direito

Ao longo da história batalhas foram travadas e sangue foi derramado para que a liberdade de expressão fosse uma realidade.A liberdade de expressão é fundamental no Estado Democrático de...