conecte-se conosco


R$ 100 MILHÕES

Alep vai formalizar repasse para compra de vacinas da Covid-19 na próxima segunda-feira

Publicados

em

Foto: Reprodução/Internet

O presidente da Assembleia Legislativa do Paraná, deputado Ademar Traiano (PSDB), anunciou na última quarta-feira (29) que o Poder Legislativo irá repassar o valor de R$ 100 milhões para o Poder Executivo efetuar a compra de vacinas contra a Covid-19.

A formalização desse repasse acontece na próxima segunda-feira (3) às 10 horas no Palácio Iguaçu e reunirá o governador Carlos Massa Ratinho Junior, a Mesa Executiva da Assembleia, composta pelo presidente Traiano, o primeiro secretário Luiz Claudio Romanelli (PSB) e o segundo secretário Gilson de Souza (PSC). Também presentes os secretários chefe da Casa Civil, de Saúde e da Fazenda e o líder do Governo na Assembleia, deputado Hussein Bakri (PSD). Os demais deputados acompanharão o evento através de uma videoconferência.

Segundo Traiano, a transferência no valor de R$ 100 milhões para o Estado será realizada com o compromisso de que esse recurso seja destinado para a compra da vacina contra o coronavírus. “Nós estamos dando mais uma contribuição para a sociedade paranaense com essa disponibilidade de recursos. É um gesto do Poder Legislativo em nome de todos os deputados e deputadas”.

O primeiro secretário da Assembleia, deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB), destacou que o governo tem feito esforços estratégicos para garantir a imunização dos paranaenses assim que possível. “Ouvimos o apelo feito pelo governador Carlos Massa Ratinho Junior e decidimos repassar R$ 100 milhões do orçamento da Assembleia para que o governo possa fazer a aquisição de todas as vacinas quando estiverem disponíveis para compra para, de fato, imunizar toda a população paranaenses contra o coronavírus. É uma forma objetiva de poder virar essa página da pandemia”.


 

Leia Também:  Governo entrega novas viaturas a Polícia Rodoviária estadual de sete municípios do Norte Pioneiro

Parcerias

O Paraná tem parceria de cooperação técnica e científica com a China para iniciar a testagem e a produção da vacina contra a Covid-19, por meio do Tecpar (Instituto de Tecnologia do Paraná). O termo de confidencialidade com a empresa estatal chinesa Sinopharm permite que o estado participe da terceira fase de testes da vacina, que deve começar já em agosto. O Paraná também terá acesso ao resultado das duas primeiras fases da testagem e poderá fazer a produção da vacina assim que o produto chinês for aprovado.

Outra possível parceria do Paraná na testagem e produção da vacina poderá ser a Rússia. A cooperação técnica para conclusão dos testes do produto em desenvolvimento pelo Centro Nacional de Epidemiologia e Microbiologia Gamaleya já está em negociação. Junto com a pesquisa da Universidade de Oxford, no Reino Unido e da China, a vacina russa é uma das mais adiantadas, com a segunda fase dos ensaios clínicos já concluídos.

Pesquisas – Aproximadamente 130 vacinas contra a Covid-19 estão em desenvolvido em todo o mundo. O Brasil tem parceria com a Universidade de Oxford para produção da vacina, por meio da Fiocruz. Em estágio de desenvolvimento avançado, a vacina deve começar a ser produzida no início de 2021.

Leia Também:  Paraná terá R$ 540 milhões para investir em habitação popular

Já o Instituto Butantã, de São Paulo, está realizando teste da vacina desenvolvida pela Sinovac, da China. Com a testagem clínica em humanos iniciada, a previsão é de que o produto também comece a ser produzido no início do próximo ano.

 

Via: ALEP.

COMENTE ABAIXO:

Política

Governo analisa incentivos para investimentos de R$ 4,7 bilhões

Publicados

em

Foto: DIvulgação AEN

O Paraná começa a dar fortes sinais de retomada econômica, com crescimento industrial, confirmação de novos investimentos privados e geração de emprego e renda em todas as regiões. Levantamento da Invest Paraná, agência responsável pela prospecção de novos negócios e atração de empresas, revela que há 71 empreendimentos em análise dentro do programa de incentivos fiscais do Estado.

Somados, os investimentos chegam a R$ 4,7 bilhões, com potencial de geração de 16 mil empregos diretos. São 54 protocolos para a instalação de empresas com negociações inciadas neste ano e 17 remanescentes de 2019. Todos buscam apoio do Paraná Competitivo, programa que tem como objetivo tornar o Estado mais atrativo para novos empreendimentos.

Além disso, ainda de acordo com o órgão, desde o início do ano passado até o momento, o Governo do Estado confirmou R$ 10,6 bilhões em investimentos, com a abertura de 12 mil postos de trabalho. Os protocolos foram fechados com empresas como a Klabin, que já está executando a ampliação da fábrica em Ortigueira; a Heineken que também começou a aumentar a planta instalada em Ponta Grossa; e a Prati-Donaduzzi, que segue o mesmo caminho em Toledo.

“É uma conquista para o Estado. Criamos um ambiente favorável para a atração de investimentos e geração de emprego. E mesmo neste cenário de crise sanitária, com a pandemia do coronavírus, estamos vendo a economia do Paraná se aquecer, dar sinais de recuperação”, afirmou o governador Carlos Massa Ratinho Junior. “Somos parceiros de quem quer investir, criar emprego e gerar renda”, completou.


Segundo Eduardo Bekin, diretor-presidente da Invest Paraná, o bom ambiente de negócios instalado no Estado desde o ano passado tem feito com que o Paraná vença a concorrência com outras unidades da Federação na busca por novos investidores. “Temos três grandes pilares na Invest Paraná: geração de emprego, desenvolvimento social e aumento da arrecadação. Mesmo com benefícios fiscais, fazemos contas a médio e longo prazos sobre o retorno financeiro e social para o Estado”, disse Bekin.

Leia Também:  Governo entrega novas viaturas a Polícia Rodoviária estadual de sete municípios do Norte Pioneiro

 

CARTEIRA

Diretor da Invest Paraná, Giancarlo Rocco destacou que a carteira da agência conta ainda com projetos estimados em R$ 2,6 bilhões e potencial para gerar 9,8 mil empregos aguardando os trâmites finais para ser encaminhado para outras instâncias do governo. “O cenário é otimista. A nossa planilha de investimentos está crescendo e a procura também vem aumentando”, afirmou.

 

MUDANÇA

De acordo com ele, a recente alteração promovida pelo Governo do Estado no programa de incentivos fiscais para garantir maior competitividade a empresas paranaenses ajuda a explicar os indicativos de retomada. “Empresas de outros lugares, especialmente de e-commerce, estão buscando informações de como vir para o Paraná”, disse Rocco.

A principal modificação prorroga o prazo para que empresas que atuam exclusivamente no e-commerce possam pleitear o benefício de crédito presumido, o que reduzirá a carga efetiva para 2% nas vendas interestaduais efetuadas nesta modalidade.

O benefício, que venceria em dezembro de 2020, foi estendido até dezembro de 2022 e também reduz o valor do investimento para que as empresas possam se enquadrar no programa.

Leia Também:  Deputados manifestam preocupação com possível retorno às aulas

Agora, o investimento será de, no mínimo, R$ 360 mil. Anteriormente, como não havia um limite específico, exigia-se o que era aplicado no Programa Paraná Competitivo para as indústrias, que era de R$ 3,6 milhões.

 

CRESCIMENTO

Outro ponto que deixa o cenário otimista diz respeito ao último levantamento divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) sobre o crescimento industrial paranaense.

O setor cresceu 24,1% entre abril e maio deste ano. O indicador positivo aparece depois de dois meses seguidos de queda acentuada por causa dos reflexos provocados pela pandemia do novo coronavírus e é o melhor resultado do País. A indústria nacional cresceu 7% nesse período.

Eder Fuggi, presidente da Fitaflex, empresa de Mandaguari, na região Norte, é um bom exemplo desta retomada. Ele conta que contratou 60 pessoas nas últimas três semanas, chegando a 330 funcionários. A indústria se prepara para tirar do papel a segunda planta de percintas, fitilho e elásticos que atendem os mais variados tipos de aplicações nas indústrias de estofados, colchões e confecções.

O investimento, também em Mandaguari, será de R$ 12 milhões, com perspectiva de triplicar o número de colaboradores. “Estamos otimistas sim com a economia, apesar da pandemia. Percebemos que o Paraná reage mais rapidamente do que outros estados nesta retomada, fruto do trabalho de muita gente e de uma boa governança política”, ressaltou o empresário.

 

Via: AEN.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA

Aviso importante: A reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo (textos, imagens, infográficos, arquivos em flash, etc) do portal não é permitida e, caso se configure, poderá ser objeto de denúncia tanto nos mecanismos de busca quanto na esfera judicial. Se você possui um blog ou site e deseja estabelecer uma parceria para reproduzir nosso conteúdo, entre em contato por e-mail. Copyright © 2020