conecte-se conosco


Política

Paraná vai incluir educação financeira na rede estadual de ensino

Publicados

em

O Paraná foi o Estado escolhido, na Região Sul, para ofertar em 2020 o projeto-piloto fruto de uma parceria entre a Secretaria de Estado da Educação e do Esporte e o Banco Central que vai incluir Educação Financeira no currículo do Ensino Fundamental da rede estadual. A parceria se deu por meio do Programa Aprender Valor, coordenado pela autarquia federal, que tem como objetivo promover noções de Educação Financeira em escolas de todo o país.

Técnicos dos Núcleos Regionais de Educação participaram nesta sexta-feira (29), em Curitiba, de formação a respeito do Programa. O objetivo é que esses servidores auxiliem as instituições de ensino de sua região na implementação do projeto.

O intuito é inserir no currículo escolar conceitos básicos de economia e finanças, visando a educação financeira dos alunos, promovendo a aprendizagem do uso consciente do crédito, a redução da inadimplência, a diminuição do endividamento excessivo dos cidadãos, a formação de poupança, entre outros benefícios.

A ideia é que a abordagem em relação à Educação Financeira se dê de forma transversal, integrando a temática, até então inédita na Educação Básica brasileira, ao processo de ensino e aprendizagem de Matemática e Ciências Humanas e Sociais Aplicadas, de acordo com a Base Nacional Comum Curricular (BNCC).

Além da previsão trazida pela base nacional curricular, o Banco Central justifica o programa com base nos baixos níveis gerais de letramento financeiro da população brasileira. É preciso, portanto, que o Poder Público se dedique a políticas que procurem solucionar tal problema. Para o secretário estadual da Educação e do Esporte, Renato Feder, o conteúdo vai ser de extrema valia para os estudantes paranaenses.

Leia Também:  Governo analisa incentivos para investimentos de R$ 4,7 bilhões

“A educação financeira garante maior autonomia e segurança financeira lá no futuro. Conhecer conceitos básicos de economia, finanças, de como administrar o dinheiro – são conhecimentos fundamentais para qualquer trabalhador ou empreendedor. Queremos dar essa oportunidade aos nosso estudantes”, afirmou.

EMPREENDEDORISMO – Também com o objetivo de contemplar as competências previstas na Base Nacional Comum Curricular, que são um conjunto de aprendizagens e competências que todos os estudantes devem desenvolver em sua trajetória escolar, a Secretaria da Educação vai ofertar, também a partir de 2020, aulas de Empreendedorismo aos estudantes do Estado. Serão contemplados estudantes de 47 escolas.

A ementa prevê educação empreendedora, ética profissional, trabalho em equipe e cooperativismo, característica marcante do Estado. Com carga horária de duas horas semanais, a matéria buscará desenvolver nos jovens as noções de protagonismo e autonomia.

Neste primeiro momento, a disciplina será ministrada a alunos do 6° ao 9° ano de instituições de Ensino Fundamental Integral, que já possuem carga horária ampliada – são 45 aulas por semana em vez de 25, como nos demais colégios.

Leia Também:  Câmara aciona Justiça após prefeito não responder a requerimentos sobre gastos com a Covid-19
COMENTE ABAIXO:

Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

Norte Pioneiro

Câmara aciona Justiça após prefeito não responder a requerimentos sobre gastos com a Covid-19

Publicados

em

Foto: Reprodução/Internet

De acordo com o processo, Paulo Leonar não deu retorno a sete requerimentos direcionados ao Poder Executivo Municipal

 

A Câmara de Vereadores de Wenceslau Braz ajuizou junto a Justiça da comarca uma ação de obrigação de fazer com pedido de tutela de urgência em face da prefeitura municipal após o atual prefeito, Paulo Leonar Amador, não responder a requerimentos encaminhados pelos parlamentares solicitando informações sobre aplicações de recursos e ações realizadas durante a pandemia da Covid-19.c

De acordo com os autos do processo, “o prefeito vem agindo de modo incompatível aos princípios da legalidade e publicidade previstos em égide constitucional, deixando de responder as solicitações encaminhadas pela Câmara de Vereadores, o que prejudica o exercício da atividade legislativa e fiscalização em face do Poder Executivo, de encontro a diversas disposições da Lei Orgânica Municipal”.

O documento ainda aponta que ao menos sete requerimentos encaminhados a prefeitura não tiveram retorno, sendo o Requerimento 04/2020 de autoria do vereador José Donizete da Costa, o Zezão, que trata dos gastos e verbas extras recebidas para serem aplicadas no enfrentamento a Covid-19 e os Requerimentos 19/2020 que trata das informações sobre a nomeação e qualificação do novo chefe do controle de endemias do município, 20/2020 que pede detalhamento das verbas estaduais e federais recebidas pelo município para enfrentamento da Covid-19; 23/2020 que pede com urgência a publicação no portal de transparência de todos os gastos realizados no enfrentamento da pandemia e 02/2020 que requer a regularização salarial e concessão de insalubridade aos profissionais de Saúde. Estes três últimos são de autoria do vereador Luiz Alberto Antônio, o Beto do Esporte.

Também foi protocolado em nome do presidente da Casa de Leis, Josemar Furini, e demais vereadores o requerimento 24/2020 que requer junto a secretaria municipal de Educação informações relacionadas a Rede Municipal de Ensino. A vereadora Margareth Rocha Pereira encaminhou um requerimento solicitando maior controle e até mesmo a proibição temporária do comércio ambulante na cidade.

Leia Também:  Governo analisa incentivos para investimentos de R$ 4,7 bilhões

Diante da situação apresentada no pedido da Câmara Municipal, o Juiz de Direito da Comarca Elberti Mattos Bernardineli, deferiu em partes a antecipação da tutela requerendo que a prefeitura encaminhe respostas concretas as todas solicitações a cima descritas, visto que se tratam de informações e dados urgentes que devem ser compartilhados pelos Poderes Municipais e de maneira que as ações possam ser fiscalizadas pela Câmara de Vereadores.

Ainda de acordo com a decisão, o não cumprimento das medidas expostas nos autos do processo o Município de Wenceslau Braz fica sujeito o pagamento de multa diária no valor de R$ 2 mil limitada ao quantum de R$ 100 mil. O Juiz ainda fixou o prazo de trinta dias para que a prefeitura possa apresentar contestação ao pedido da Câmara.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA

Aviso importante: A reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo (textos, imagens, infográficos, arquivos em flash, etc) do portal não é permitida e, caso se configure, poderá ser objeto de denúncia tanto nos mecanismos de busca quanto na esfera judicial. Se você possui um blog ou site e deseja estabelecer uma parceria para reproduzir nosso conteúdo, entre em contato por e-mail. Copyright © 2020