fbpx
conecte-se conosco


Política

Pesquisa mostra que 75% aprovam gestão de Ratinho Junior

Publicados

em



(Foto: Rodrigo Felix Leal/ ANPr)

A gestão do governador Carlos Massa Ratinho Junior (PSD) tem aprovação de 75,1% dos curitibanos. É o que mostra um levantamento do Instituto Paraná Pesquisas divulgado nesta segunda-feira (25). O instituto ouviu 904 eleitores da capital entre os dias 16 e 20 de março.

“Estamos fazendo uma administração dinâmica, que busca reduzir gastos com a máquina para atender às necessidades da população, e a sociedade está enxergando este novo jeito de governar. Isso aparece na avaliação da gestão”, destaca Ratinho Junior. “Vamos manter um ritmo intenso de trabalho”.

Ele ressalta medidas com a liberação de R$ 150 milhões para melhoria do sistema de transporte coletivo da capital e cidades vizinhas. O montante vai ajudar a subsidiar a tarifa, além de ampliar a integração de linhas e promover melhorias como a instalação de vias exclusivas para ônibus.

Na semana passada o governador também autorizou R$ 25 milhões para obras de pavimentação de ruas 59 ruas em 36 bairros da capital. “Este é mais um exemplo do nosso compromisso com a melhoria na qualidade de vida dos paranaenses de todas as regiões que vivem em Curitiba”.

A pesquisa incluiu um pedido de classificação da administração estadual. Neste aspecto, a maioria dos entrevistados fez uma avaliação positiva do governo. Para 13,2%, a gestão é ótima e outros 43% avaliaram como boa. A classificação regular foi escolhida por 26%. Apenas 8,5% consideraram ruim e 6,4% péssima, enquanto 2,9% responderam. A pesquisa tem grau de confiança é de 95%, com margem de erro de 3,5 pontos porcentuais.

Leia Também:  Assembleia aprova projeto do Governo de auxílio emergencial para empresas
COMENTE ABAIXO:

Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

Política

Produção industrial do Paraná cresce 9% no primeiro trimestre

Publicados

em

Foto. Divulgação.

Dos 15 setores analisados pelo IBGE no Paraná, 13 tiveram aumento na produção nos primeiros três meses de 2021

 

A produção industrial paranaense teve crescimento de 9% no primeiro trimestre deste ano, na comparação com os primeiros três meses de 2020. O crescimento paranaense foi o dobro da média nacional, cuja produção aumentou 4,4% nos três primeiros meses do ano.

Os dados são da Pesquisa Industrial Mensal (PIM Regional), divulgados nesta terça-feira (11) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), e mostram que o Paraná ocupa a quarta posição entre os estados com o melhor resultado do trimestre, empatado com São Paulo.

O primeiro lugar é ocupado por Santa Catarina (17,8%), seguido do Rio Grande do Sul (12,3%) e Minas Gerais (9,1%). Somente 10 dos 15 locais pesquisados pelo IBGE tiveram crescimento na produção industrial no período.

A pesquisa do IBGE mostra também um aumento de 12,3% na produção em março, com relação ao mesmo mês do ano passado. A pesquisa revela, ainda, que a indústria do Estado caiu 1% em março com relação a fevereiro deste ano, além da redução de 1% no acumulado dos últimos 12 meses, com base nos 12 meses anteriores.

A queda em março foi uma tendência nacional, com redução de 2,4% da produção industrial do País e também um recuo em nove dos 15 locais analisados pelo IBGE. Entre esses estados, Paraná e Santa Catarina foram os que tiveram a menor redução.

Leia Também:  Norte Pioneiro deve ser sede de novo encontro para debater sobre novo moldelo do pedágio

“Mesmo com o impacto da pandemia em diversos setores da economia, a indústria do Paraná continua forte”, afirma o governador Carlos Massa Ratinho Junior. “O crescimento industrial impacta nos outros setores, contribuindo com a retomada econômica do Estado e de grande parte das cidades paranaenses, já que o Paraná conta com uma indústria diversificada e espalhada por todas as regiões”.

 

SETORES

Dos 15 setores analisados pelo IBGE no Paraná, 13 tiveram aumento na produção industrial nos primeiros três meses de 2021. A fabricação de produtos de madeira puxou o crescimento, com aumento de 32,7% no trimestre e de 58,9% com relação a março do ano passado, além de um aumento de 11,9% no acumulado de doze meses. É seguido pela fabricação de produtos de metal, exceto máquinas e equipamentos, que teve alta de 31,7% entre janeiro e março, de 58,9% se comparado a março de 2020 e de 11,9% nos últimos 12 meses.

A indústria de máquinas e equipamentos também teve crescimento substancial no primeiro trimestre do ano, com ampliação de 28,6% na produção. Completam a análise os setores de fabricação de produtos de materiais não metálicos (25,8%); de máquinas, aparelhos e materiais elétricos (19,7%); de móveis (19%); de produtos de borracha e material plástico (17,8%); de outros produtos químicos (16%); de coque, de produtos derivados do petróleo e de biocombustíveis (4,8%); de veículos automotores, reboques e carrocerias (4,4%); e fabricação de bebidas (1,4%).

Leia Também:  Sessão da Câmara de Vereadores de Wenceslau Braz apresenta nova composição

Os únicos a fechar o trimestre com números negativos foram as indústrias de fabricação de celulose, papel e produtos de papel (-6,2%) e de fabricação de produtos alimentícios (-4%). Este último setor, no entanto, ainda conta com resultados positivos com relação a março de 2020 (0,6%) e no acumulado de doze meses (6,3%).

 

MARÇO

Já no mês de março, houve aumento na produção 14 setores, na comparação com o mesmo mês de 2020. Os melhores resultados foram nas indústrias de produtos de madeira (58,9%); de produtos de materiais não metálicos (35,5%); de produtos de metal, exceto máquinas e equipamentos (31,5%); de outros produtos químicos (28,5%); de produtos de borracha e material plástico (24,7%).

Na sequência vêm a fabricação de máquinas e equipamentos (18,5%); de máquinas, aparelhos e materiais elétricos (12,8%); de coque, de produtos derivados do petróleo e de biocombustíveis (10,6%); de veículos automotores, reboques e carrocerias (7,6%); de bebidas (5,2%); e de produtos alimentícios (0,6%). Somente a fabricação de celulose, papel e produtos de papel fechou em baixa no mês, com queda de 6,2%.

 

VIA: AEN.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA

Aviso importante: A reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo (textos, imagens, infográficos, arquivos em flash, etc) do portal não é permitida e, caso se configure, poderá ser objeto de denúncia tanto nos mecanismos de busca quanto na esfera judicial. Se você possui um blog ou site e deseja estabelecer uma parceria para reproduzir nosso conteúdo, entre em contato por e-mail. Copyright © 2021