19.3 C
Wenceslau Braz

Sessão da Câmara de Arapoti é suspensa após discussão e ameaças entre parlamentares

"Nós deveríamos ser exemplo para toda a região, mas do jeito que está acontecendo aqui em quase todas as sessões, nossa cidade fica parada no tempo”

- Advertisement -

Nesta segunda feira (17), a sessão da Câmara de Vereadores de Arapoti foi marcada por confusão e ameaças, tanto que os trabalhos da Casa de Lei tiveram que ser suspensos para reestabelecimento da ordem.

No uso da palavra livre o vereador Deolindo Aparecido da Cruz, o Diquinho (Podemos), trouxe uma suspeita de nepotismo ao questionar a nomeação da esposa de um vereador para cargo público. “Hoje quero falar sobre o decreto 6015/2021 do Executivo, que nomeia a diretora de enfermagem do Hospital 18 de Dezembro, a senhora Emiliane Gregorio. Minha pergunta é, nós temos nessa Casa de Leis o esposo dessa enfermeira e pela sumula vinculada 03, Eu [Diquinho] acho que dá nepotismo, será que tem um parecer do Executivo para isso”, questionou Deolindo.

- Advertisement -

Na sequência de uso na palavra, o vice-presidente Jean Carlos Klichowhi (Solidariedade), rebateu o questionamento. “Eu recebo um questionamento do vereador Diquinho e lamento que o senhor tenha optado por agir desta forma, trazer ao plenário algo que coloca em dúvida a imagem do vereador, que questiona a honra e índole de uma servidora pública que tem um currículo sem máculas em sua trajetória. Foi secretaria municipal de Saúdee ocupou diversas gerencias na área da saúde aqui na cidade. Em Dezembro do ano passado minha esposa já tinha sido convidada e ela não aceitou, agora teve um novo convite e ela resolveu aceitar, mas antes mesmo dela aceitar o convite foi solicitado um parecer jurídico pela secretaria municipal de Saúde, a senhora Rosangela Lascosk Massinhan, teve parecer positivo para a nomeação da minha esposa”, explicou Jean.

Após ler o parecer jurídico o vereador subiu o tom de voz e continuou sua fala. “Sumula 13 do STF, deixa claro que não há nepotismo no ato da nomeação vereador Diquinho, então quando o senhor abrir a boca para falar alguma coisa, tenha embasamento jurídico. Tem alguma coisa para falar, fala direto comigo e não venha levar aos céus e jogar aos ventos calunias”, rebateu.

Já o vereador Lorival Aparecido Modesto de Oliveira (PSL), tentou acalmar os ânimos em seu pronunciamento. “Nós temos que brigar com deputados, senadores e presidente por recursos para Arapoti e não ficarmos brigando entre nós mesmos, está todo mundo vendo online essa coisa feia que só atrasa nossa cidade, vamos nos unir para ajudar a população”, finalizou Lorival.

O vereador Luciano Ferreira da Silva (PSL) reclamou que a gestão nunca tem dinheiro para fazer nada das reivindicações solicitadas pelo mesmo e, ao terminar sua reclamação, foi questionado pelo 1º secretario, Maicon Jean Pot (Solidariedade). “Só uma pergunta vereador, quem falou que não tem dinheiro, o vereador falou que falaram”, questionou Maicon. O vereador Luciano respondeu o questionamento do 1º secretario. “O Jean, na sessão passada falou”, explicou.

Em seguida, houve uma discussão e o vereador Jean se levantou em direção do vereador Luciano, com o tumulto, o presidente Edilson Corsini Pereira (Democratas), suspendeu a sessão por aproximadamente 10 minutos. Após isso, os ânimos se acalmaram e foi colocada a ordem do dia em votação.

Após o presidente encerrar a sessão o vereador Diquinho solicitou que constasse em ata que o mesmo foi ameaçado por Jean. “O vereador Jean ao sair da tribuna, passou por mim e me ameaçou, usando palavras de baixo calão, não me admiro nada se amanhã ao chegar não tenha um documento me transferindo, só quero deixar aqui registrado”, disse Deolindo.

- Advertisement -

MAIS NOTÍCIAS