Coluna ADI Paraná
Estranhamento
Foto Divulgação
Foto rotativa (Foto: Foto Divulgação)

A Associação Nacional de Jornais recebeu com "surpresa e estranhamento" a Medida Provisória assinada pelo presidente Jair Bolsonaro que dispensa a publicação de balanços de grandes empresas nos jornais. "Além de ir na contramão da transparência de informações exigida pela sociedade, a MP afronta parte da lei 13.818 sancionada pelo próprio presidente em abril. Por essa lei, a partir de janeiro de 2022 os balanços das empresas com ações negociadas em bolsa devem ser publicados de modo resumido em veículos de imprensa na localidade sede da companhia e na sua integralidade nas versões digitais dos mesmos jornais", diz nota da ANJ.

Maia busca acordo

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), defendeu a construção de acordo no Congresso Nacional para que os jornais não sejam inviabilizados pela MP. “Minha preocupação é que o papel jornal ainda é um instrumento da divulgação da informação, da garantia da liberdade de imprensa e de expressão da nossa democracia. Retirar essa receita dos jornais da noite para o dia não parece a melhor decisão”, afirmou Maia.

Damico no Paraguai

O Senado ratificou a indicação do diplomata Flávio Soares Damico para chefiar a embaixada brasileira no Paraguai. Damico defende a integração física entre Brasil e Paraguai como forma de impulsionar a economia dos dois países e destacou os projetos de novas pontes sobre os rios Paraná e Paraguai e sua importância para o corredor bioceânico — ligação rodoviária entre o Brasil e o Oceano Pacífico —, que pode ajudar a escoar as exportações de soja do Centro-Oeste. "É um projeto estratégico com enormes consequências positivas, porque encurtará a distância percorrida pelos produtores brasileiros no acesso aos portos do Pacífico", disse.

Distorção da história

O deputado federal Filipe Barros (PSL), novo integrante da Comissão sobre Mortos e Desaparecidos Políticos, afirmou que a comissão era direcionada por “ideologia” e voltada apenas para a investigação da ação do Estado durante a repressão da ditadura militar, sem levar em consideração o que classifica como os atos de “grupos terroristas”. "Só terei uma opinião clara sobre o que foi feito nos anos anteriores quando tomar conhecimento dos documentos", disse. 

Desabafo

A advogada Rosângela Moro, mulher do ministro Sergio Moro (Justiça e Segurança Pública),  usou as redes sociais em defesa do chefe da Lava-Jato, Deltan Dallagnol, que pode ser afastado de suas funções pelo Conselho Nacional do Ministério Público. “Tempos confusos… quem faz seu trabalho institucional acaba sendo injustamente ofendido. Aguenta firme, Deltan”, escreveu.

Foz-Nova York

O secretário Sandro Alex (Infraestrutura e Logística) adiantou que a nova pista do Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu vai possibilitar a operação de um voo internacional ligando a cidade de Nova York (EUA). A previsão é que, com a nova pista, que deverá ficar pronta em um ano e meio, o aeroporto receba três vezes mais passageiros estrangeiros do que atualmente.

Atraso no Minha Casa

O governo federal tem atrasado os pagamentos das obras do programa Minha Casa Minha Vida, diz a Câmara Brasileira da Indústria da Construção. As construtoras afirmam que os repasses em atraso de dois meses chegam a R$ 500 milhões, atingem 512 empresas, 200 mil funcionários e 900 conjuntos do programa. "A maioria das empresas não vai conseguir honrar os salários dos funcionários”, disse José Carlos Martins, presidente da Cbic. 

Redução da violência

O deputado Romanelli (PSB) destacou a redução da violência e da criminalidade nas 42 cidades do Norte Pioneiro. Balanço da Secretaria de Estadual de Segurança aponta que 34 cidades da região não registraram homicídios entre janeiro e junho deste ano, 40 cidades sequer um roubo seguido de morte (latrocínio) e 41 não tiveram lesão corporal com resultado em morte. Das 23 áreas integradas de segurança, a região de Cornélio Procópio diminuiu o número de homicídios em 70% (20 ocorrências de janeiro a junho de 2018, contra seis no período de 2019).

Redução II

Romanelli afirma que os resultados apresentados demonstram o trabalho eficiente das forças estaduais de segurança, em especial da Polícia Civil e Polícia Militar, na prevenção da violência e da criminalidade. "Mostram que estamos no caminho certo ao investir em mais equipamentos, viaturas e em ampliar os efetivos das duas corporações", disse. 

Construção de presídios

A Comissão de Constituição e Justiça da Assembleia Legislativa aprovou crédito suplementar ao orçamento do Estado no valor de R$ 33,1 milhões. Os recursos serão aplicados na construção e reforma de presídios em vários municípios e na compra de equipamentos para a Secretaria de Segurança Pública.

Da Redação ADI-PR Curitiba

Coluna publicada simultaneamente em 20 jornais e portais associados. Saiba mais em www.adipr.com.br